PUBLICIDADE
Topo

Câmera inteligente: "sou avisado sempre que tem movimento estranho em casa"

Câmera inteligente Blink - Arquivo pessoal
Câmera inteligente Blink Imagem: Arquivo pessoal

Rubens A. Filho, em depoimento a Marcella Duarte

Colaboração para Tilt

17/12/2019 04h00Atualizada em 17/12/2019 20h54

Tem sensor de movimento, visão noturna, serve como porteiro eletrônico, permite ouvir e falar, grava vídeo em 1080p, é à prova d'água, sem fio, oferece armazenamento gratuito na nuvem... Tudo isso são descrições para uma câmera inteligente. E foram todas essas funções que me fizeram comprar várias delas.

Minha favorita é a Blink, da gigante Amazon. Ela está na minha porta de entrada, nos quartos das crianças, na lavanderia e na porta dos fundos. E o mais benéfico para mim: está nas minhas mãos o tempo todo, por meio do smartphone.

O que me convenceu é que os recursos de configuração da Blink são simples, mas bem completos. Principalmente na hora de selecionar pedaços da imagem para disparar as gravações. Consigo, por exemplo, disparar a gravação somente quando a porta abre.

A nova Blink é à prova d'água IP65 e resiste a até -20ºC. podendo ser usada em ambientes externos ou internos, e tem áudio "two-way" - ou seja, dá para ouvir o que dizem e também falar com as pessoas que estão no ambiente. Os modelos anteriores eram de uma via só (apenas escutar) e eram internos (não resistente a água) ou externos, o que a deixava atrás da Ring, principal concorrente.

Com as melhorias que a Blink recebeu este ano, e mesmo assim chegando ao mercado com um preço menor que o de seus modelos anteriores, elas têm sem dúvida o melhor custo-benefício da categoria. O sensor de movimento foi aprimorado para evitar alarmes falsos, muito comuns nesse tipo de dispositivo.

Outro diferencial é que ela é abastecida por duas pilhas AA (as Ring funcionam com bateria CR123A, mais cara, ou conectadas na tomada), que incrivelmente podem durar até dois anos, graças a seu novo chip. O milagre? Boa parte das tarefas são descarregadas no módulo de conexão (também chamado de hub), este sim plugado na tomada. As pilhas apenas são usadas quando a câmera está de fato gravando.

Os vídeos gravados são armazenados em nuvem, em um servidor seguro da própria Blink. E não há taxas extras para isso, apenas um limite de até 7.200 segundos —quando você o atinge, os vídeos mais antigos vão sendo deletados. Consigo acessar as gravações a qualquer momento, por meio do aplicativo, e posso baixar os vídeos e salvá-los onde eu quiser.

Comprei um kit com cinco câmeras do modelo XT-2, o mais recente, mais um hub —cada um pode ser usado com até dez Blinks simultaneamente.

A instalação foi superfácil. Primeiro, conectei o hub: é só ligá-lo na tomada com a fonte USB inclusa, instalar o aplicativo da Blink no smartphone, escanear o QR code que fica na parte de trás do dispositivo e conectar à rede wi-fi.

Feito isso, ele pergunta se você já quer adicionar uma câmera. Para cada uma, o processo é quase o mesmo: você abre a tampa, põe as pilhas (inclusas), escaneia o QR code atrás da câmera e pronto. Se houver atualização de firmware [usado para operar o aparelho], já é feito automaticamente.

A parte física da instalação requer apenas dois parafusos (inclusos) e uma chave de fendas. O resto é encaixe. Não levei mais que dez minutos para configurar as cinco câmeras.

O lado ruim das câmeras Blink é que elas parecem bem mixurucas e feias de longe no design, o que contrasta com o quão bons achei os dispositivos. Para disfarçar a "feiúra", comprei umas capinhas de silicone brancas. Assim elas ficam mais discretas e integradas ao ambiente.

Deixo a Blink conectada ao meu iPhone, onde recebo os alertas, e, dentro de casa, aos iPads e aos alto-falantes inteligentes Amazon Echo. "Alexa, me mostre a entrada dos fundos"; "me mostre a lavanderia"; "me mostre a área de serviço".

Por ser um produto Amazon, ela atende a diversos comandos de voz com a assistente virtual. É só ativar a skill "Blink for Home" no app da Alexa. Também é possível integrar com outros dispositivos de smart home da empresa, como FireTV, Fire TV Cube, Fire TV Stick e Fire Tablets.

Posso configurar para receber uma notificação sempre que houver movimento em determinada área. E consigo armar e desarmar esses alertas pelo aplicativo de celular ou via Alexa. Em geral, deixo programado para gravar por cinco ou dez segundos sempre que houver movimento.

Deixo algumas áreas específicas monitoras e outras não. Na área de serviço, por exemplo, deixo apenas o corredor. Os alertas junto ao tanque e às máquinas ficam desligados para não me avisar toda vez que alguém for lavar um pano.

A câmera da porta de entrada, integrada à fechadura August, serve como um porteiro eletrônico. As internas, além de dispositivo de segurança, me ajudam a monitorar as crianças durante o dia. E eu até converso com elas quando estou viajando por meio das câmeras.

Você pode baixar o aplicativo de controle em quantos dispositivos Android ou iOS desejar, para que todos recebam os alertas. Mas apenas um feed de monitoramento ao vivo fica ativo por vez. E você pode ter acesso a diversos sistemas Blink no mesmo app (do seu apartamento, do seu escritório, da casa dos seus pais etc).

Nas configurações de fábrica, os vídeos gravados são de cinco segundos, para maior eficiência energética, gerando arquivos de cerca de 750 KB. Mas você pode ajustá-los para durar até 60 segundos. Há também o modo "live view", que permite que você assista a qualquer câmera pelo aplicativo. E apenas neste modelo XT2 pode gravar partes desta transmissão, que é dividida a cada 30 segundos (você precisa ir clicando em "continuar" se quiser seguir assistindo.

Se tiver como comprar nos Estados Unidos, o jeito mais fácil é pela Amazon norte-americana, onde há kits com até cinco câmeras e câmeras extras para quem já tem o sistema. O pacote mais simples, com uma câmera + conector tem o preço padrão de US$ 99 (R$ 420 na conversão direta).

Mas sempre há promoções: neste momento, por exemplo, está por US$ 75 (R$ 320) e vem com um Echo Dot grátis; o kit que adquiri, com cinco câmeras, está por US$ 285 (R$ 1.215), também com o alto-falante inteligente de presente.

No Brasil, pode ser encontrado em market places, como Mercado Livre. O kit básico de uma câmera sai por cerca de R$ 900. Também dá para comprar pelo Ebay e mandar entregar aqui, sujeito ao pagamento de frete, imposto de importação e taxas da Receita Federal.

Nesta seção, Tilt te mostra algum produto que não está disponibilizado oficialmente no Brasil para você entender para que as pessoas usam essas tecnologias vendidas no exterior.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS