Topo

Fechadura inteligente: "porta de casa abre sozinha quando me aproximo"

Fechadura inteligente August faz o celular virar sua chave - Acervo pessoal
Fechadura inteligente August faz o celular virar sua chave Imagem: Acervo pessoal

Rubens A. Filho, em depoimento a Marcella Duarte

Colaboração para o UOL

03/12/2019 04h00

Esquecer chaves é um problema comum por aí. Mas, a tecnologia já superou essa chatice: fechaduras inteligentes estão presentes nas casas de muitos norte-americanos, mas ainda engatinham na "casa inteligente" do Brasil.

O melhor desses equipamentos é poder, de verdade, desencanar da chave. É o caso da fechadura da marca August, que instalei em minha casa. Basta ter um smartphone para liberar o acesso a residências - seja para você, familiares ou amigos.

A August pode reconhecer até quando eu me aproximo da porta, abrindo-a automaticamente, sem que nem precise tirar o telefone do bolso. Também pode ser configurada para travar determinados segundos após eu entrar ou sair.

Basta apenas garantir que tenha bateria no celular. E se ele estiver desligado ou for roubado, a porta pode ser aberta normalmente com chave física ou com um código de acesso, digitado em um teclado inteligente externo, vendido separadamente.

Além de trancar e destrancar a porta presencialmente, via Bluetooth, a August permite fazer isso remotamente, por wi-fi. Para essa conexão à internet, é necessário um equipamento (como um hub), vendido separadamente ou em kits com a fechadura. Com ele, mesmo se estiver do outro lado do mundo, é possível deixar alguém entrar em sua casa.

Vai dar uma festa? Mande uma senha para seus convidados, assim não precisará ficar abrindo a porta. Vai viajar? É só liberar a entrada da faxineira ou o cuidador de cachorro. Todas essas funcionalidades me convenceram de que era um investimento que valia a pena.

Dá para enviar permissões individuais para o smartphone de cada um, para acesso em dias e horários específicos, ou criar senhas temporárias, com limite de tempo ou de número de vezes para uso, e desativá-las quando quiser.

O modelo escolhido foi o August Smart Lock Pro, 3ª geração, com Connect e teclado. Compramos três unidades, para a porta de entrada e duas internas.

Uma chave de fenda é tudo que precisei para instalar a August. Leva cinco minutos, se sua porta tiver trava estilo americana (deadbolt, com chave de apenas um lado e um trinco do outro). Nesse caso, é só desparafusar a fechadura interna e substituir pela August. Você só automatiza a parte interna —a externa continua a mesma, e suas chaves físicas comuns ainda vão funcionar.

Se sua fechadura for do padrão brasileiro ou de outro não compatível, é preciso trocá-la por uma de cilindro único antes de instalar o aparelho inteligente. Um sensor, colado no batente, diz se a porta está fechada ou aberta. Assim, é possível monitorar separadamente a fechadura e a porta.

Logo vi que a August funciona com quatro pilhas AA —e, tempos depois, notei que avisa se elas estão acabando. Se acabar, precisaria utilizar uma chave física para entrar em casa. Já o hub deve ser conectado a uma tomada, próxima à fechadura e ao seu roteador de internet.

Para controlar o sistema, precisei instalar no meu smartphone o August Home App, gratuito e disponível para Android, iOS e Apple Watch. Meus convidados também precisam baixá-lo se forem entrar via bluetooth.

Este app virou minha chave virtual. Ele me avisa se as portas estão abertas ou fechadas e monitora quem chega e sai, em um registro de atividades. Tudo é logado, e cada ação pode funcionar como um gatilho de automação.

Consegui até combinar a August com outras ações de casa inteligente: acender luzes, ligar câmeras, ligar o aquecedor ou o ar condicionado. Ou desligar tudo isso ao fechar a porta.

Há um detalhe para quem não comprar o conjunto com o teclado, como eu: a função "auto-lock" que programa para fechar logo após saída de casa, pode ser perigosa. Se a pessoa configurasse isso e saísse para levar o lixo, por exemplo, e não estivesse com o celular ou chave, poderia correr o risco de ficar trancado para fora caso algo ocorra no meio-tempo. Como tenho o teclado, seria "salvo" pela senha.

Não deixo mais a chave de casa com ninguém. Abro e fecho a porta à distância. Vejo quem está lá pelo porteiro de vídeo (o acessório com câmera é vendido separadamente —pode ser da própria August ou de outras marcas compatíveis, como Ring e Blink).

Costumo usar a August com a Alexa —ao sincronizar com um smartspeaker Echo— ou com a Siri, no iPhone. Ela só é compatível com Apple HomeKit via bluetooth (ou seja, não é possível acesso remoto por wi-fi, nesse caso é necessário usar o app da August) e também funciona com Google Home/Assistant.

Se for aos Estados Unidos, o jeito mais fácil de adquirir o sistema é no próprio site da August ou na Amazon norte-americana, onde há kits (fechadura + bridge + teclado) por cerca de US$ 200. No Brasil, o mesmo kit pode ser encontrado em marketplaces, como Mercado Livre, em preços que variam de R$ 2 mil a R$ 4 mil. Também dá para mandar entregar aqui, por exemplo pelo Ebay, mediante pagamento de frete e imposto de importação.

Nesta seção, Tilt te mostra algum produto que não está disponibilizado oficialmente no Brasil para você entender para que as pessoas usam essas tecnologias vendidas no exterior.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

No Brasil não tem