Topo

Você manda, ela faz: Amazon Alexa chega ao Brasil com três novos aparelhos

Amazon lança no Brasil os dispositivos Echo Show 5, Echo e  Echo Dot  - Bruna Souza Cruz/UOL
Amazon lança no Brasil os dispositivos Echo Show 5, Echo e Echo Dot Imagem: Bruna Souza Cruz/UOL

Bruna Souza Cruz e Gabriel Francisco Ribeiro

De Tilt, em São Paulo

03/10/2019 00h01

Sem tempo, irmão

  • Sucesso nos EUA, Alexa, assistente de voz da Amazon, agora fala português
  • Empresa traz para o Brasil três dispositivos: Amazon Echo, Echo Dot e Echo Show 5
  • Com a Alexa, é possível fazer tarefas simples como ligar pra alguém e comprar produtos
  • Além disso, é possível até controlar toda uma casa usando os seus comandos, como acender luz e abrir portas

Você sai de casa e pega pela frente uma chuva torrencial e um engarrafamento. Isso poderia ter sido evitado se você tivesse perguntado a alguém a previsão do tempo e a situação do trânsito. Agora a Alexa, assistente de voz da Amazon, quer ser esse "alguém" para os brasileiros.

A tecnologia, superpopular nos Estados Unidos, chega ao Brasil nesta quinta-feira (3) falando português. O país é o 15º no mundo a receber a Alexa.

Dois modelos de alto-falantes da Amazon iniciam as suas pré-vendas hoje (com desconto): Echo dot e o Echo Show 5. A ação termina no dia sete. E, a partir da próxima terça-feira (8), os aparelhos começarão a ser vendidos para o público em geral.

Em novembro, mais um alto-falante se junta a família, a nova geração do Echo, que foi lançada recentemente nos Estados Unidos.

Os produtos da Amazon com a assistente virtual por voz da companhia viraram uma febre principalmente em países de língua inglesa, com vendas sendo contadas na casa das dezenas de milhões.

Confira os preços no mercado brasileiro

  • Echo Dot: R$ 349 (valor durante a pré-venda é de R$ 249)
  • Amazon Echo: R$ 699
  • Echo Show 5: R$ 599 (valor durante a pré-venda é de R$ 449)

O que é a Alexa?

Se você não tem ideia de que raios é Alexa, aqui vai um resumo: trata-se, basicamente, de uma assistente ligada a um produto com alto-falante que ajuda você com praticamente qualquer tarefa diária. Desde as mais básicas, como pedir para tocar música, fazer ligações, comprar produtos, dizer a previsão do tempo, falar sobre notícias, filmes ou esporte a até mais complexas, envolvendo sua casa e seu carro.

É possível, por exemplo, controlar toda uma residência com comandos da Alexa. Acender luz, abrir portas, ligar termostato, controlar eletrônicos e eletrodomésticos. Essas tecnologias já estão bem difundidas no mercado internacional.

Como a Alexa no Brasil vai funcionar?

Modelos de auto-falantes com a Alexa integrada - Bruna Souza Cruz/UOL
Modelos de auto-falantes com a Alexa integrada
Imagem: Bruna Souza Cruz/UOL

Depois de o usuário configurar o seu perfil nas caixas de som da Amazon, é só sair falando, de fato. Para despertá-la é só dizer "Alexa". Luzes azuis surgem nos aparelhos para indicar que ela está ouvindo.

Comandos como "Bom dia", "Qual é a previsão do tempo hoje", "Me acorde às 6h da manhã", "Qual é a sua música favorita" e "Conte uma piada" foram testados pela reportagem e os resultados foram bem precisos - a piada não foi engraçada, mas disseram que a Alexa tem um banco de dados com centenas de piadas que fazem sentido aqui no Brasil (vou testar algumas e conto para vocês depois).

Quais as diferenças entre os lançamentos?

O Echo Dot é o menor alto-falante entre as novidades da Amazon. É aparelhinho redondo, compacto, mas a qualidade do som que sai dele é muito boa. É compatível com a tecnologia Bluetooth. Será vendido nas cores preta, cinza e branca.

O Echo já é bem maior. Seu funcionamento é parecido com o irmão mais barato, mas o alto-falante é mais potente. Será vendido nas cores azul, preta, cinza e branca.

O Echo Show 5 se diferencia por ter uma tela de 5,5 polegadas e ele vai um pouco além em suas respostas. Ele é capaz de mostrar vídeos de notícias do UOL (Horóscopo e novidades sobre esporte também), pedir um carro da Uber, comprar comida pelo iFood, oferecer jogos de quiz como o Show do Milhão etc. Chamadas de voz também são possíveis.

A Alexa foi lançada junto com os três dispositivos Amazon, mas aparelhos de outras marcas já serão compatíveis com a tecnologia, segundo os executivos da empresa. Lâmpadas da Positivo, alto-falantes das marcas InteBras e Bose, e fones de ouvido da JBL são alguns exemplos.

O problema do idioma

Segundo Michele Butti, diretor Internacional de Alexa, e Ricardo Garrido, gerente geral para Alexa no Brasil, adequar a assistente de voz para o Brasil foi um grande desafio.

Além da língua portuguesa ter várias nuances e sotaques, duas grandes preocupações estiveram relacionadas aos hábitos locais e a informalidade do brasileiro.

"A gente quer que ela funcione como um amigo. Por isso, optamos pela Alexa usar uma linguagem informal com os brasileiros. Diferente do Japão, em que ela é mais formal. A gente montou um time com pessoas brasileiras para encontrar as referências brasileiras", explicou Garrido.

De acordo com os executivos, a tecnologia vai falar até um inglês mais abrasileirado, sem o sotaque norte-americano, por exemplo.

"Se você falar 'toca Raul', ela vai tocar músicas do Raul [Seixas]", brincou Garrido.

Polêmicas sobre vigilância

Como toda grande tecnologia inovadora, a Alexa também tem suas polêmicas, principalmente em relação à vigilância e privacidade. Por ser um recurso ativável por áudio (é acionado quando o usuário diz "Alexa"), o aparelho tem que manter os ouvidos atentos - ou seja, escuta tudo o que é dito em sua casa.

Há um tempo descobriu-se que os dispositivos da Amazon eram capazes de gravar áudio segundos antes, durante e segundos depois da interação com a Alexa.

Sobre a questão da privacidade, Michele Butti afirmou que a Alexa não fica ouvindo seus usuários. Ela passa a ouvir somente com a palavra de ativação.

"O cliente pode ver tudo o que está sendo mandado [para a nuvem da empresa]. Ele pode cancelar um por um ou todos [as gravações de áudio]. E tem o botão de desativação do microfone. Se a luz vermelha estiver ligada, os microfones não ficam ligados", destacou.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Fique por dentro