PUBLICIDADE
Topo

Tensão entre China e EUA cresce após extradição de executiva da Huawei ser aceita

Meng Wanzhou, filha do fundador da Huawei, foi presa em 2018 durante uma conexão em Vancouver, no Canadá - EPA
Meng Wanzhou, filha do fundador da Huawei, foi presa em 2018 durante uma conexão em Vancouver, no Canadá Imagem: EPA

Em Vancouver

28/05/2020 09h33

Uma juíza canadense decidiu nesta quarta-feira que os procedimentos de extradição para os Estados Unidos de uma alta executiva do grupo tecnológico chinês Huawei, que é o centro para uma grave crise diplomática entre Pequim e Ottawa, devem continuar.

Meng Wanzhou, diretora financeira da empresa número um do mundo em equipamentos 5G, é acusada de fraude bancária pelos Estados Unidos, que exige sua extradição.

A executiva chinesa de 48 anos, filha do fundador da Huawei, foi presa durante uma escala em Vancouver em 1 de dezembro de 2018 e libertada sob condições estritas de confinamento em sua mansão local.

A juíza Heather Holmes, da Suprema Corte de Vancouver, teve que se pronunciar sobre a questão da dupla criminalidade: para ser extraditada, Meng deve ser processada nos Estados Unidos por um crime também punível no Canadá.

Os promotores acusam-na de cometer fraude por ter mentido a um banco americano, um crime no Canadá e nos Estados Unidos. Também a acusam de roubar segredos comerciais de empresas americanas.

Mas os advogados de defesa pedem sua libertação, alegando que o caso envolve violações das sanções dos Estados Unidos contra o Irã, que não foram impostas pelo Canadá no momento dos supostos crimes.

"A necessidade de dupla criminalidade com vistas à extradição pode ser satisfeita neste caso", escreveu a juíza em sua sentença de 23 páginas. Portanto, a solicitação da Sra. Meng é negada".

Essa decisão é um revés para a diretora financeira da gigante chinesa de telecomunicações, Meng Wanzhou, presa no final de 2018 em Vancouver, a pedido dos Estados Unidos, que a acusaram de fraude bancária.

Desde então, a executiva chinesa de 48 anos vive em liberdade condicional em uma de suas luxuosas residências em Vancouver, enquanto Pequim exige veementemente sua libertação há um ano e meio

A China reagiu à decisão através de sua embaixada em Ottawa: "Todo esse caso é completamente um incidente político sério".

A legação culpou os Estados Unidos por tentar "derrubar a Huawei" e o Canadá por serem "cúmplices".

- Foto de família -Mais cedo, em uma atitude um tanto arrogante, a empresária chinesa, usando sua tornozeleira eletrônica, posou ao lado de sua família e amigos nos degraus do tribunal de Vancouver.

Pequim deixou claro que sua libertação é um pré-requisito para melhorar as relações com Ottawa e para a libertação de dois canadenses detidos por suspeita de espionagem.

Michael Kovrig, um ex-diplomata em Pequim, e o consultor e empresário Michael Spavor foram presos na China nove dias após a prisão de Meng no Canadá.

Ottawa chama essas prisões de "arbitrárias".

Enquanto a número dois da Huawei vive em liberdade condicional em uma de suas duas luxuosas residências em Vancouver, os dois canadenses estão presos há mais de 500 dias e só têm direito a acesso consular a conta-gotas.

A China também bloqueou bilhões de dólares nas exportações agrícolas canadenses.

Washington acusa Meng de ter mentido ao banco HSBC sobre o relacionamento entre a Huawei e a Skycom, uma subsidiária que vendia equipamentos de telecomunicações para o Irã, expondo o banco a uma eventual violação das sanções americanas contra Teerã por seu programa nuclear.

A Promotoria se referiu a uma apresentação realiza em 2013 em Hong Kong, na qual Meng disse aos executivos do HSBC que a Huawei não era mais proprietária da Skycom e que tinha deixado seu conselho de administração.

O que seria uma declaração enganosa, porque a Huawei continuava controlando as operações da Skycom no Irã e mantinha o controle de seus cofres.

Já a defesa de Meng argumenta que as sanções dos Estados Unidos contra o Irã são "a base das acusações neste caso".

Na terça-feira, o ministério das Relações Exteriores da China pediu ao Canadá "que corrija seus erros e liberte Meng imediatamente, além de garantir que ela retorne à China com segurança".

O primeiro-ministro Justin Trudeau insistiu em deixar os tribunais decidirem o destino de Meng e argumentou que a China "não entende" que o sistema de justiça canadense é independente, voltando a vincular a detenção dos dois canadenses à prisão da executiva.