Topo

"Come-Come"? Saiba como "Pac-Man" ganhou esse apelido no Brasil

"Come-Come!" foi um dos games mais populares do Odyssey e copiava descaradamente "Pac-Man", sucesso da Namco no início da década de 1980 - Reprodução
"Come-Come!" foi um dos games mais populares do Odyssey e copiava descaradamente "Pac-Man", sucesso da Namco no início da década de 1980 Imagem: Reprodução

Rodrigo Lara

Do Gamehall

28/03/2017 10h00

Entre o final dos anos 1970 e início dos anos 1980, um game fez bastante sucesso em todo o mundo: "Pac-Man". Há boas chances, porém, de que poucos brasileiros associassem este nome ao game em si. Bastava, contudo, falar "come-come" para que muita gente soubesse do que se tratava.

Essa história remonta dos primórdios dos videogames no Brasil e envolve a chegada do segundo Odyssey no país, em 1983, cujo lançamento foi um show de localização. O aparelho, que facilmente se enquadraria numa categoria "premium", tanto pelo preço de Cr$ 150 mil (o que hoje daria algo em torno de R$ 2,7 mil) quanto pela apresentação, trazia um lote inicial de 15 jogos. Estes não apenas tinham manuais em português e caixas em acrílico, mas também tinham seus nomes traduzidos para o nosso idioma. 

"Come-Come!" foi um dos grandes sucessos do Odyssey no Brasil; videogame era caro, mas ainda assim vendeu bastante no mercado nacional - Reprodução
"Come-Come!" foi um dos grandes sucessos do Odyssey no Brasil; videogame era caro, mas ainda assim vendeu bastante no mercado nacional
Imagem: Reprodução

Isso gerava situações como a de "K.C.'s Krazy Chase!", que por aqui virou "Come-Come!" - sim, este era o nome oficial do game. A história, aliás, é uma das contadas no livro "1983 + 1984: Quando os Videogames Chegaram", de Marcus Garrett - cujo download é gratuito. Voltando ao game, ele era sequência de “K.C. Munchkin” que, por sua vez, era um clone de "Pac-Man", jogo da japonesa Namco para arcades e que ganhou versões para o Atari 2600, videogame com o qual o Odyssey concorria. Entre as principais diferenças entre os jogos está o fato de que a "cópia" utilizava um boneco azul, ao invés de um amarelo do game original.

Com o sucesso da fórmula de "Pac-Man", seria natural que "K.C.'s Krazy Chase!" também fosse um dos games mais populares para o Odyssey no Brasil. Ao mesmo tempo, a pronúncia do nome original poderia ser uma barreira a essa popularização. Foi então que, durante uma reunião entre o gerente de produto da Philips, Carlos Alberto Cardoso, o gerente de propaganda da empresa, Milton Bonanno, e um engenheiro da empresa chamado Davi, o nome final surgiu.

Após Bonanno perguntar a Davi sobre como era o game, o engenheiro respondeu que "é um bichinho, ele vai num labirinto e come, come, come!". Bonanno, então, respondeu: "Está aí o nome! Come-Come!".

Após o lançamento do videogame e do game "Come-Come!", um dos carros-chefe do aparelho, a Philips brasileira decidiu lançar também um boneco do personagem K.C. Munchkin, que só poderia ser adquirido mediante a compra de um cartucho do jogo e uma quantia adicional de dinheiro. Alguns destes bonecos também foram sorteados durante o "Realce", programa de videoclipes musicais da TV Gazeta em São Paulo.

Além de ter todo o material de apresentação traduzido para português, o personagem principal "K.C. Munchkin" teve uma linha de bonecos de pelúcia por aqui - Reprodução
Além de ter todo o material de apresentação traduzido para português, o personagem principal "K.C. Munchkin" teve uma linha de bonecos de pelúcia por aqui
Imagem: Reprodução

Curiosamente, “K.C. Munchkin”, primeiro game da série, chegou algum tempo depois ao Brasil, onde recebeu o nome de “Come-Come II!”.

Se, no Brasil, "Come-Come!" foi um tremendo sucesso, nos Estados Unidos o game rendeu uma disputa judicial entre Atari e Philips no início dos anos 1980. A Atari tinha obtido a licença exclusiva para levar "Pac-Man" ao Atari 2600, o que acabaria ocorrendo em 1982. "K.C. Munchkin", por sua vez, chegou ao mercado norte-americano um ano antes, o que enfureceu a empresa de Nolan Bushnell e motivou um processo de plágio.

Relembre "Come-Come!", sucesso do Odyssey no Brasil

Start

Inicialmente, a justiça norte-americana indeferiu o pedido da Atari para impedir a venda do game da concorrente. Após um recurso, porém, a empresa venceu e "K.C. Munchkin" e sua sequência pararam de ser vendidos nos EUA. Esse foi um dos primeiro processos que definiu a aplicação das regras de direitos autorais em relação à aparência de softwares.

Essa decisão, porém, se aplicou somente ao mercado norte-americano. Por aqui, tanto "Come-Come!" quanto sua sequência continuaram a ser vendidos e fizeram tanto sucesso que, ironicamente, quando o Atari 2600 chegou em 1983, juntamente com o game "Pac-Man", esse era constantemente chamado de "Come-Come!".

Mais Start