PUBLICIDADE

Topo

Cinco fatos que fizeram de Satoru Iwata mais que um executivo comum

Muito antes de virar presidente da Nintendo, Iwata já fazia barulho na indústria - Reprodução
Muito antes de virar presidente da Nintendo, Iwata já fazia barulho na indústria Imagem: Reprodução

Pedro Henrique Lutti Lippe

Do UOL, em São Paulo

13/07/2015 14h57

Em um de seus momentos mais lembrados, o presidente e CEO da Nintendo Satoru Iwata disse: "No meu cartão de visitas eu sou um presidente corporativo. Em minha mente, eu sou um desenvolvedor. Mas em meu coração eu sou um jogador".

Antes de tornar-se um dos mais consagrados líderes da indústria dos games, Iwata trabalhou por anos como programador - e ganhou visibilidade no Japão por ser muito bom nisso.

Satoru Iwata morreu no último sábado (11), vítima de um câncer nas vias biliares. Ele tinha 55 anos.

Natural da cidade de Sapporo, Iwata era visto (e está sendo lembrado) como mais do que apenas um executivo. Assim, compilamos em uma lista cinco feitos notáveis de Iwata antes dele assumir terno e gravata como roupa do dia-a-dia. Confira:

Satoru Iwata (Pokémon) - Montagem/UOL - Montagem/UOL
Imagem: Montagem/UOL

1. Iwata transformou o mapa de "Pokémon Red & Blue" em um extra de "Pokémon Gold & Silver"

Um dos momentos mais memoráveis de toda a franquia "Pokémon" é vencer a Liga em "Gold & Silver", apenas para descobrir que ainda restam oito Ginásios e uma região inteira para ser explorada.

A Game Freak, desenvolvedora dos RPGs, lotou o cartucho de "Gold & Silver" apenas com a região de Johto durante o desenvolvimento dos games. Foi então que Satoru Iwata, na época presidente da HAL Laboratory, tomou para si a tarefa de colocar na íntegra o mapa dos primeiros jogos da série na sequência.

Iwata programou ferramentas que permitiram ao time de desenvolvimento comprimir o tamanho dos arquivos de jogo. Com isso, criou-se espaço suficiente no cartucho para que a aventura tivesse duas regiões inteiras lado a lado.

Satoru Iwata (EarthBound) - Montagem/UOL - Montagem/UOL
Imagem: Montagem/UOL

2. Iwata salvou o clássico RPG "EarthBound"

Hoje cultuado como um dos maiores RPGs clássicos dos anos 1990, "EarthBound" quase não foi lançado. Com um código base muito complicado, o game não funcionava direito durante boa parte do período de desenvolvimento.

Amigo pessoal de Iwata, o diretor Shigesato Itoi o chamou para ajudá-lo. Após uma conversa franca entre os dois, ficou decidido que Iwata lideraria um time que iria reescrever o código do RPG.

"Estávamos em uma situação muito complicada", disse Itoi em uma publicação no site oficial da Nintendo em 2000. "Mas tudo foi resolvido quando Iwata entrou para o time".

Satoru Iwata (Pokémon Stadium) - Montagem/UOL - Montagem/UOL
Imagem: Montagem/UOL

3. Iwata fez as batalhas Pokémon funcionarem no Nintendo 64 em uma semana sem documentos de referência

Mesmo ocupando o cargo de presidente da HAL Laboratory, Iwata gostava de assumir alguns dos trabalhos de programação mais complicados que sua empresa recebia.

A Nintendo queria que as batalhas Pokémon que existiam no Game Boy passassem a funcionar no Nintendo 64. O plano era lançar "Pokémon Stadium" - um game que recriava as batalhas dos portáteis em três dimensões na TV.

"Eu lembro de pensar que não havia muitas pessoas capazes de ler o código fonte do Game Boy, que não era escrito em uma linguagem muito refinada, e entender como tudo se conectava", disse Tsunezaku Ishihara, atual presidente da Pokémon Company, em uma entrevista da série Iwata Asks publicada pela Nintendo.

Iwata cumpriu sua missão sem a ajuda de qualquer documento de referência. "Eu criei o programa das batalhas. Demorou um bom tempo para fazê-lo", afirmou o designer Shigeki Morimoto. "Mas quando eu fiquei sabendo que o Iwata tinha conseguido reproduzi-lo [no Nintendo 64] em uma semana e que o jogo já funcionava... Bom, eu pensei: 'Que tipo de presidente de empresa é esse?!'".

Satoru Iwata (Balloon Fight) - Montagem/UOL - Montagem/UOL
Imagem: Montagem/UOL

4. Iwata, o 'Super Programador', era melhor com o NES que a própria Nintendo

Falando ao site 4Gamer, Iwata revelou que era conhecido na indústria como o "Super Programador" da HAL Laboratories.

"Houve um tempo, quando eu ainda trabalhava na HAL, em que eu me considerava o engenheiro de software mais eficiente da indústria de games", afirmou. "Eu acreditava que conseguia escrever código para o NES melhor que os próprios engenheiros da Nintendo, e que eu conseguia escrever o código mais compacto com mais rapidez".

Iwata tem em seu currículo o cargo de programador em jogos como "F1 Race", "Pinball", "NES Open Tournament Golf" e "Kirby". Seu maior trabalho na posição, porém, é "Balloon Fight" - clássico que é lembrado internamente pela Nintendo como exemplo de jogo complexo com um código extremamente eficiente.

Satoru Iwata (Smash Bros.) - Montagem/UOL - Montagem/UOL
Imagem: Montagem/UOL

5. Iwata ajudou "Super Smash Bros. Melee" a ser lançado a tempo

O último trabalho de Iwata como programador veio quando ele já era o gerente geral de planejamento corporativo da Nintendo.

"Algo de errado aconteceu e parecia que a versão de GameCube de 'Super Smash Bros.' não ficaria pronta a tempo de sua data de lançamento", disse o executivo em entrevista à 4Gamer publicada em 2014. "Então eu dei uma revisada no código do jogo".

"Aquele definitivamente não era o trabalho que eu devia fazer no meu cargo", disse. "Revisei o código, consertei alguns bugs, revisei mais uma vez e consertei outros bugs, li alguns relatórios da Nintendo e vi o que continuava errado... Passei umas três semanas trabalhando nisso. E por causa disso, o jogo foi lançado a tempo".