Antissemitismo? Como nariz de Bradley Cooper virou polêmica em novo filme

Desde quando a Netflix divulgou o primeiro trailer de "Maestro", novo filme estrelado e dirigido por Bradley Cooper, uma polêmica tomou conta das discussões em torno do filme nas redes sociais: a prótese de nariz usada pelo ator para interpretar o biografado, Leonard Bernstein. Mas, afinal, como a maquiagem do filme virou gancho para acusações de antissemitismo e reprodução de estereótipos negativos?

O filme conta a história do maestro, compositor e pianista estadunidense Leonard Bernstein, e sua história de amor com Felicia Montealegre Cohn Bernstein (interpretada por Carey Mulligan). Conforme a sinopse oficial, o filme é "uma carta de amor à vida e à arte", e "um retrato emocionalmente épico da família e do amor".

Bernstein é considerado um dos condutores ais importantes de seu tempo, e o primeiro a receber aclamação internacional.

Leonard era filho de pais judeus, ambos que emigraram da Ucrânia para os Estados Unidos. Em vida, ele recebeu 7 Emmys, 2 Tonys e 16 Grammys.

Por que a prótese virou polêmica?

No trailer e nas primeiras fotos, Bradley Cooper aparece com uma prótese para aumentar o tamanho do nariz, de modo a ficar parecido com o nariz do próprio biografado.

Nas redes sociais, o tamanho da prótese gerou um debate, com muitos apontando que narizes grandes são normalmente usados em representações estereotipadas do povo judeu. Por isso, o uso do artifício no filme foi interpretado de uma forma negativa por alguns, que associaram a isso o fato de o próprio Cooper não ser judeu.

Continua após a publicidade

Família de Bernstein defendeu o filme

Em comunicado conjunto, os três filhos de Leonard Bernstein (Jaime, Alexander e Nina) defenderam as escolhas narrativas da biografia.

"A verdade é que Leonard Bernstein tinha um belo e grande nariz. Bradley escolheu usar maquiagem para amplificar sua semelhança com ele, e estamos perfeitamente bem com isso. Temos certeza que nosso pai também não iria se opor", declara a nota.

Os três afirmam que as acusações são "tentativas dissimuladas de mitigar o sucesso de uma pessoa —uma prática que observamos acontecer muitas vezes com nosso próprio pai."

Escrito por Cooper com Josh Singer, o filme tem entre os produtores Martin Scorsese e Steven Spielberg. O elenco conta com Careu Mulligan, Matt Bomer, Maya Hawke e Sarah Silverman.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes