PUBLICIDADE
Topo

Marvel, as séries não são apenas um anexo dos filmes

Wanda (Elizabeth Olsen) chora no episódio final de 'WandaVision'
Wanda (Elizabeth Olsen) chora no episódio final de 'WandaVision'
Marvel Studios/Divulgação

Laysa Zanetti

De Splash, em São Paulo

26/07/2021 04h00

Quando a Marvel Studios anunciou que as séries de TV fariam parte de verdade do Universo Cinematográfico, muita gente achou que elas deixariam de ser o patinho feio do estúdio.

Depois de "WandaVision", "Falcão e o Soldado Invernal" e "Loki", fica a pergunta:

Será que deixaram mesmo?

Uma característica marcante do Universo Cinematográfico Marvel é o fato de as histórias funcionarem como vários mosaicos que vão se encaixando para formar uma grande figura.

Continua depois da publicidade

Por exemplo, é possível que você assista a "Pantera Negra" (2018) sem ter visto "Capitão América 3" (2016). Mas ali no finzinho, na já tradicional cena pós-crédito, a turma de Kevin Feige planta uma sementinha para que o público se interesse pela história seguinte.

É assim que eles te fisgam.

Com as séries, não é muito diferente. Cada uma —das vistas até agora— abre caminho para o que o estúdio vai apresentar em seguida. Afinal, elas existem em uma continuidade.

Mas fica a impressão que elas estão ali apenas para isso.

Divulgação/Disney - Divulgação/Disney
Kathryn Hahn em "WandaVision"
Imagem: Divulgação/Disney

Talvez o caso mais grave seja o de "Falcão e o Soldado Invernal", mas é uma característica compartilhada pelas três, embora em proporções diferentes.

Continua depois da publicidade

Explicando: a série estrelada por Anthony Mackie e Sebastian Stan levanta temas interessantes no primeiro episódio, mas abandona os mesmos pelo caminho e só retoma o fio da meada lá no episódio final.

Tudo o que existe no meio pouco soma durante o encerramento da história.

Já "WandaVision" é um pouco mais sutil. Ela sabiamente faz referências à história da TV, e constrói metáforas que se relacionam com o estado mental de Wanda (Elizabeth Olsen), aprofundando a personagem como os filmes nunca fizeram.

Mesmo assim, ali no episódio final, dá uma bela escorregada para o padrão Marvel de deixar tudo mastigadinho.

Continua depois da publicidade

Por fim, "Loki" é a maior caixinha de surpresas. A série aparentemente despretensiosa revelou ser o que praticamente segura todo o restante da Fase Quatro no lugar.

Foi um risco ter deixado todas as respostas para o episódio final, mas talvez tenha sido um risco calculado.

Ou seja, se analisarmos as três friamente, é possível que um espectador interessado apenas na premissa do que virá em sequência entenda tudo vendo apenas o primeiro e o último episódios de cada uma.

Veja só, não há nada de errado em alguém que quer apenas entender o mínimo para assistir ao próximo longa. Errado é utilizar o formato seriado de forma tão primitiva.

Mas o que as séries da Marvel têm de tão diferente de todas as outras séries? Simples:

A falta de um showrunner.

O showrunner é a pessoa responsável por toda a gestão daquela produção.

Para as séries da Marvel Studios, não temos este diretor geral, mas sim um roteirista e um diretor. É como se elas fossem um grande filme dividido em seis ou dez partes.

Por isso, falta a elas um elemento importante: uniformidade.

Continua depois da publicidade
Divulgação - Divulgação
Michael Waldron e Kate Herron, roteirista e diretora de "Loki"
Imagem: Divulgação

Vale ressaltar que o fato de as três guardarem os grandes desenvolvimentos para o episódio piloto e o episódio final não significa obrigatoriamente que o meio seja ruim.

Em dois casos, o meio é até muito bom.

Mas esse esvaziamento de conteúdo faz com que elas continuem sendo vistas como algo menor, um apêndice dos filmes, embora sejam mais do que isso. Se é possível descartar o meio, então alguma coisa está errada.

Torcemos por melhoras.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL