PUBLICIDADE
Topo

Bulimia da princesa Diana existiu mesmo e tem cenas pesadas em 'The Crown'

A atriz Emma Corrin como a princesa Diana em "The Crown"
A atriz Emma Corrin como a princesa Diana em "The Crown"
Des Willie/Netflix

Ana Carolina Silva

De Splash, em São Paulo

15/11/2020 04h00

As cenas em que Diana força o vômito na quarta temporada de "The Crown" são pesadas e bem gráficas. O bom trabalho da atriz Emma Corrin na série da Netflix pode até chocar o público, e a bulimia foi uma realidade na vida da princesa.

A autoestima está baixa e você se sente sem valor. Você enche o estômago quatro ou cinco vezes por dia, talvez mais, e isso te conforta. Mas é só temporário. Depois, você sente nojo do seu estômago e põe para fora. É repetitivo e destrutivo.

- desabafo da verdadeira Diana à BBC em 1995

Continua depois da publicidade

Eu chegava em casa e era muito difícil saber como confortar a mim mesma depois de passar o dia confortando outras pessoas, então eu pulava para a geladeira. Estava pedindo socorro, mas dando os sinais errados. As pessoas decidiram que o problema era esse: 'a Diana é instável'.

- Diana à BBC em 1995

A série mostra a dor de Diana na relação conturbada com o príncipe Charles; ela sofre com a falta de atenção da família (a sua própria e a da rainha) e, muitas vezes, é ignorada pelo marido —o herdeiro de Elizabeth II já era obcecado por Camilla, que foi namorada, amante e hoje é sua mulher.

diana e charles - Georges De Keerle/Getty Images - Georges De Keerle/Getty Images
A princesa Diana e o príncipe Charles em 1987
Imagem: Georges De Keerle/Getty Images

Eram sentimentos complexos, e a atriz Emma Corrin abraçou o desafio de interpretá-los. Ela conversou com Splash e disse que insistiu para que a série tratasse estes assuntos com honestidade, sem minimizar ou romantizar os transtornos alimentares de Diana.

Continua depois da publicidade
diana - Des Willie/Netflix - Des Willie/Netflix
A atriz Emma Corrin como a princesa Diana em "The Crown"
Imagem: Des Willie/Netflix

Foi difícil. Eu estava decidida: se íamos mostrar, que não fosse só uma alusão. Era importante mostrar completamente a experiência dela com a bulimia. Nós lemos muitos livros e fóruns sobre isso. A própria Diana foi muito sincera sobre sua experiência, algo impressionante na época.

- Emma Corrin

Emma Corrin nasceu em dezembro de 1995 e era muito jovem em 31 de agosto de 1997 para entender o que estava acontecendo: foi neste dia que Diana morreu em um acidente de carro em Paris.

Ou seja, a atriz não foi impactada pelas atitudes da "princesa do povo" enquanto Diana estava viva.

Continua depois da publicidade

Acho que sou grata por não ter lembranças dela viva. Isso deixou o meu trabalho mais fácil para criar a minha versão. Eu trabalhei muito com os maneirismos da Diana, mas não queria só imitar: queria entender por que ela faria cada movimento para que eu pudesse usá-los da forma certa.

diana em hospital - Des Willie/Netflix - Des Willie/Netflix
"The Crown" tem cenas da princesa Diana (Emma Corrin) visitando pacientes de hospital
Imagem: Des Willie/Netflix

Charles, que já estava ressentido por ter sido obrigado a se casar com Diana enquanto amava Camilla, se irrita cada vez mais em "The Crown" por ser ofuscado pelo sucesso da princesa. Mas a saúde mental dela afunda como ocorreu na vida real, com depressão pós-parto e uma coroa de solidão.

Tinha três pessoas naquele casamento (falando sobre Camilla), era gente demais. Tudo isso me deu um rótulo maravilhoso: Diana é instável e mentalmente desequilibrada. Infelizmente, isso me perseguiu ao longo dos anos.

- Diana em 1995

diana em 1985 - Terry Fincher/Princess Diana Archive/Getty Images - Terry Fincher/Princess Diana Archive/Getty Images
A princesa Diana em novembro de 1985
Imagem: Terry Fincher/Princess Diana Archive/Getty Images
Continua depois da publicidade

Em 2017, poucos dias antes do aniversário da morte de Diana, o príncipe William falou sobre a bulimia que torturava sua mãe e reforçou a importância de falar sobre saúde mental e buscar ajuda:

A saúde mental precisa ser levada tão a sério quanto a saúde física.