PUBLICIDADE
Topo

Gerson King Combo lutou contra o racismo e divulgou a arte da periferia

Gerson King Combo
Gerson King Combo
Divulgação

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

23/09/2020 14h02

Hoje o Brasil ficou mais triste, branquelo e paradão na pista de dança. Gerson King Combo, rei dos bailes cariocas, morreu aos 76 anos no Rio. E é uma pena que muita gente só descobriu quem ele era depois de ser citado por Babu Santana em uma festa do último BBB. Pecado sem perdão, brother.

GERSON KING COMBO! #gersonkingcombo #bbb20 #babusantana

Uma publicação compartilhada por Gerson King Combo (@gerson_kingcombo) em

Continua depois da publicidade

A importância de Gerson

Pioneiro do soul e funk no Brasil, ele é um dos grandes nomes da nossa música negra, ao lado de Tim Maia, Hyldon e Cassiano. Filho de um policial de Madureira, Gerson foi um dos maiores expoentes dos "Bailes da Pesada", que botaram a periferia para dançar nos anos 1960 e 1970.

Essa é do comecinho da minha carreira lá nos anos 60. #gersonkingcombo

Uma publicação compartilhada por Gerson King Combo (@gerson_kingcombo) em

Por influência dos lendários DJ's cariocas Big Boy e Ademir Lemos, esses bailes se destacavam por tocar hits do funk e soul americanos no Canecão e, depois, na zona norte do Rio. As festas, lendárias, lançaram MCs, cantores e aos poucos se espalharam pelo Brasil e viraram fenômeno cultural.

Ou seja, Gerson King Combo, ou o "James Brown brasileiro", astro dos bailes, ajudou uma música, uma arte e um estilo antes marginalizados a ganhar atenção da mídia e gravadoras. Um feito fenomenal.

Continua depois da publicidade

Rei do underground

Vestido com chapéu, capa e com o punho em riste, Gerson era um monarca do funk que exultava a raça negra nas letras e falava de igual para igual com brothers e quem quisesse entrar na dança. Sua importância foi tão grande a ponto de influenciar Tony Tornado e o gênio Tim Maia.

Ele apareceu no final dos anos 60, após servir no Exército e desbundar com a Jovem Guarda. Gerson, por sinal, é irmão de Getúlio Côrtes, compositor de hits do gênero. Mas ele pirou mesmo foi com o estilo de James Brown, que inspirou seu primeiro álbum, "Brazilian Soul", lançado em 1970.

Continua depois da publicidade

Mas ele só ficaria famoso mesmo depois de vários anos cantando em bailes e no underground. Principalmente depois de 1976, quando "Jornal do Brasil" publicou uma grande reportagem mostrando o que era o crescente e sacolejante movimento Black Rio.

#gersonkingcombo

Uma publicação compartilhada por Gerson King Combo (@gerson_kingcombo) em

Dali em diante, ele foi contratado pela Polydor e, produzido por Ronaldo Corrêa e acompanhado pela Banda União, lançou dois discos fundamentais da música black brasileira: "Gerson King Combo" (1977) e "Gerson King Combo - Volume II" (1978). Bíblias do nosso funk. Influentes do rap ao funk carioca.

Você sabia que, apesar de toda a influência de James Brown, o nome Gerson King Combo faz referência à banda norte-americana King Curtis Combo, do saxofonista de soul King Curtis (1934 - 2018)? Referência é tudo.

Continua depois da publicidade

É motivo de muito orgulho ser respeitado pelos jovens de hoje. Hoje os jovens me cultuam, no hip hop. Também encontro o pessoal do Fundo de Quintal, do samba, e sou ovacionadíssimo. [O reconhecimento] É o maior presente
Gerson King Combo sobre sua influência

Ficou curioso sobre ele? Bem, boa parte da obra dele --lançou cinco discos e vários compactos-- está disponível a um clique no streaming. Então não perca tempo!

Aliás, nós, do Splash, recomendamos absolutamente TUDO que ele lançou. Aproveitando, separamos abaixo cinco músicas fundamentais para você curtir e entender melhor quem foi Gerson King Combo.

Continua depois da publicidade

'Mandamentos Black' (uma aulinha do que foi o movimento Black Rio)

'Tenho um Vulcão Dentro de Mim' (uma espécie de 'melô' do sagitariano black)

'Melô do Hulk' (quando o geek e o funk se encontram)

'Jingle Black' (o Papai Noel antirracista que pedimos a Deus, brother)

'Funk Brother Soul' (classe, pura classe)

Continua depois da publicidade

Viva o funk e viva Gerson King Combo, o rei que o Brasil merece!