PUBLICIDADE
Topo

Roberto Sadovski

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Francis Ford Coppola acha todos os filmes da Marvel iguais. Ele está certo

Reprodução
Imagem: Reprodução
só para assinantes
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Colunista do UOL

20/02/2022 04h36

"O que é um filme da Marvel?" A pergunta vem de Francis Ford Coppola, um dos cineastas mais geniais da história. Aos 82 anos, o diretor de obras-primas como "O Poderoso Chefão" e "Apocalypse Now" é didático. "Uma produção da Marvel é um filme protótipo refeito dúzias de vezes para parecer diferente."

Em outras palavras, é tudo igual. Uma linha de montagem destinada a mudar as peças em um mesmo chassi para ter modelos diferentes que, no fim das contas, terminam cumprindo a mesma função.

Claro que bastou Coppola dar a declaração, em uma entrevista recente para a GQ, que voltou o ruído em torno da qualidade dos filmes do estúdio responsável por "Homem de Ferro" e "Os Vingadores", e de uma desconexão com a realidade e com o mercado por artistas que teoricamente não conversam com esse público.

coppolamarvel ironman - Marvel - Marvel
'Homem de Ferro'
Imagem: Marvel

Coppola, é claro, não está errado. Sua avaliação dos filmes da Marvel, ou mesmo do atual cenário dos blockbusters milionários, é precisa. Não quer dizer de forma alguma que ele esteja dizendo que são filmes ruins. O que ele aponta, coberto de razão, é que existe um elemento precioso que se perdeu no panorama hollywoodiano: não há mais riscos.

Para entender o raciocínio do diretor, ou mesmo de seu colega Martin Scorsese, que em 2019 disse que os filmes da Marvel "não eram cinema", é preciso entender sua gênese como artistas. Nos anos 1970, a indústria caminhava modorrenta até surgir uma novíssima geração que entendeu o cinema como ferramenta capaz de, ao mesmo tempo, entreter e causar alguma reflexão.

Foi a época em que Coppola e Scorsese, além de Brian De Palma, Steven Spielberg, George Lucas, William Friedkin, John Carpenter e outros gênios modernos, passaram a dominar a "nova Hollywood" com filmes que refletiam o estado das coisas, que contavam histórias brutas partindo de ideias, de uma visão clara do que seria cinema.

Era arte como ruptura do status quo. E mais: de "Tubarão" a "Guerra nas Estrelas" a "Operação França", era arte como espetáculo, era cinema batendo recordes nas bilheterias.

coppolamarvel jaws - Universal - Universal
'Tubarão'
Imagem: Universal

Esse é o ponto central. O cinema, da forma como essa geração moldou, trazia o espetáculo, mas também o mistério, um fator de risco que elevava a experiência. Arte, no caso, é o conjunto etéreo de momentos - filmes, música, literatura, teatro - que buscam uma resposta emocional, por vezes física, para algo não só que vemos, ou ouvimos, ou lemos, mas também para todo o sub texto que nos faz refletir, sobra a obra, sobre o mundo e sobre nós mesmos.

Não há na cultura do blockbuster moderno - e nos filmes da Marvel em particular - esse aditivo à experiência. O que existe é uma exploração sensorial que alcança o sucesso pela repetição. Como o próprio Coppola observou, até diretores com talento e ideias sucumbem a essa formula, como Denis Villeneuve ("Duna") e Cary Fukunaga ("007 - Sem Tempo Para Morrer").

"Podemos pegar esses dois filmes e retirar uma cena idêntica dos dois, a mesma sequência em que todos os carros se espatifam uns nos outros", continua o diretor. "Ambos trazem essa cena, e eles quase precisam ter para justificar seu orçamento. E isso são os filmes bons, de cineastas talentosos!"

coppolamarvel bond - Universal - Universal
'007 - Sem Tempo Para Morrer'
Imagem: Universal

É compreensível que os olhos da indústria do cinema pairem sobre os filmes de super-heróis, porque seu sucesso os coloca em evidência. "Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa" está a caminho de encostar nos US$ 2 bilhões nas bilheterias mundiais, e um fenômeno assim não existe sem que ele seja examinado em microscópio.

Produtos com o selo Marvel ou DC, entretanto, dificilmente deixam de parecer fruto de uma linha de produção porque essa é a sua natureza. Não me lembro de nenhuma outra narrativa que precisa ser constantemente reinventada em um loop infinito. O Batman, por exemplo, tem histórias publicadas mensalmente há mais de oito décadas, desde sua criação em 1939.

É normal que personagens assim - ou melhor, propriedades intelectuais - sejam uma casca, um arquétipo preenchido regularmente com histórias similares em ambientação contemporânea. Nos quadrinhos isso é evidente quando muda-se uma equipe criativa, muda-se a direção editorial, mas os heróis permanecem os mesmos. São produtos, não significa que são ruins. Traduzidos para o cinema, a abordagem é similar.

coppolamarvel batman - Warner - Warner
'Batman'
Imagem: Warner

Dessa forma, dificilmente um grande autor será atraído para criar dentro de um esqueleto pré moldado - a não ser que tenha total liberdade e que, claro, observe algumas regras. Grandes diretores que abraçaram o desafio historicamente entregaram seus melhores filmes de super-heróis na segunda tentativa, depois de um primeiro filme bem-sucedido lhes dar mais poder de barganha.

Tim Burton fez "Batman" e refinou sua visão gótica e operística em "Batman, O Retorno". Bryan Singer seguiu um projeto por comitê em "X-Men" e ganhou espaço para fazer de "X2" uma alegoria sobre a luta pelos direitos civis e uma alegoria clara sobre identidade de gênero. Christopher Nolan deu uma origem ao Homem-Morcego em "Batman Begins" mas criou seu thriller policial sobre o caos com "O Cavaleiro das Trevas".

Não por acaso, são estes alguns dos melhores "filmes de super-heróis" do cinema moderno. É o espaço para artistas arriscarem, e dessa forma trazer conhecimento, iluminação, inspiração para o público.

coppolamarvel endgame - Marvel - Marvel
'Vingadores: Ultimato'
Imagem: Marvel

A Marvel tem grandes artesão trabalhando em seu universo cinematográfico, mesmo em grandes sucessos como "Vingadores: Ultimato": somos atraídos pelo espetáculo, não pela reflexão. Será interessante observar como o estúdio vai se comportar nos próximos anos, já que fórmulas se desgastam com o tempo.

Já vimos o que um sub texto mais rico pode fazer a um filme totalmente inserido na fórmula - não há absolutamente nada original na trama de "Pantera Negra", mas o diretor Ryan Coogler injetou uma reflexão de problemas do mundo real em meio ao espetáculo, e o resultado foi um fenômeno que transcendeu as salas de exibição e provocou o tipo de discussão que engrandece o cinema.

Mesmo curioso com o que cineastas com mais projeção e personalidade, como James Gunn e Taika Waititi, trarão em seus próximos filmes pelo estúdio, a produção Marvel que mais dispara minha atenção é "Doutor Estranho no Multiverso da Loucura". O motivo é simples: é a volta de Sam Raimi, um dos diretores mais criativos e imprevisíveis da indústria, depois de uma ausência de quase uma década.

coppolamarvel estranho - Marvel - Marvel
'Doutor Estranho no Multiverso da Loucura'
Imagem: Marvel

Cinema é arte, mas nem tudo é boa arte. É como comer em uma lanchonete fast food e em um restaurante premiado: ambos matam a fome, mas só um deles entrega uma experiência que transcende.

Quando os nerds mais exaltados se arvoram para defender seus super-heróis em detrimento do legado e do talento de mestres como Francis Ford Coppola, é o cinema que sai perdendo. Em vez de atacar o que ele ou Scorsese (ou Roland Emmerich, ou Ken Loach) dizem sobre filmes de hominhos, seria mais bacana se perguntar os motivos de eles levantarem a discussão.

coppolamarvel godfather - Paramount - Paramount
Marlon Brando e Francis Ford Coppola nas filmagens de 'O Poderoso Chefão'
Imagem: Paramount

Essa discussão é essencial para determinar o que queremos com o cinema - arte, entretenimento, pop, cult, o que for - no futuro. Eu adoro super-heróis, cresci com eles, ainda me animo em ver tantos personagens que fizeram parte de minha formação ganhando um espaço que vai muito além das páginas amareladas dos gibis. O espetáculo é empolgante!

Igualmente empolgante, porém, é ir além. Agora é o melhor momento para arriscar: "O Poderoso Chefão" retorna aos cinemas em alguns dias, em comemoração aos 50 anos de seu lançamento. Desafio qualquer fã da Marvel a descobrir a obra-prima de Francis Ford Coppola na maior tela que puder. Eu garanto - garanto! - que sua visão de cinema, de arte e de mundo não será a mesma... E que você vai entender exatamente o que ele quer dizer.