PUBLICIDADE
Topo

Roberto Sadovski

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

O choro é livre: Adaptação de 'Thundercats' para o cinema será uma animação

Lion-O, o líder dos "Thundercats" - Reprodução
Lion-O, o líder dos 'Thundercats' Imagem: Reprodução
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Colunista do UOL

30/03/2021 01h05

O cinema já espremeu praticamente todo pedaço de propriedade intelectual que pode ser explorada de outras mídias. Uma das séries que permanecia intocada era a animação "Thundercats", que fez a festa de muita gente nos anos 1980. Sua versão para a tela grande, porém, não será exatamente como os fãs esperam.

Adam Wingard, diretor do combate de monstros "Godilla vs. Kong", ganhou da Warner carta branca para desenvolver um filme baseado nas aventuras de Lion-O e seus companheiros felinos contra as forças de Mumm-Ra (o de vida eterna). A pegadinha é que ele não quer escalar atores para seu filme, e sim fazer uma animação em CGI, hiper realista, preservando a estética dos anos 1980.

A ideia de levar os "Thundercats" para o cinema ganhou tração em 2007. De lá para cá, várias versões de um roteiro adaptando a animação circulou em Hollywood, mas nenhum dos projetos vingou. Nenhum diretor ou equipe criativa, apesar do oceano de boatos espalhados ao longo dos anos, assumiu de fato a adaptação.

thundercats team - Reprodução - Reprodução
Os Thundercats estão chocados por não ganhar uma versão live action
Imagem: Reprodução

Adam Wingard, que completa 39 anos em dezembro, pegou o fim da febre dos "Thundercats" na TV nos anos 1980, mas tornou-se obcecado com a série ao longo de sua adolescência. "Ninguém no planeta sabe tanto sobre os "Thundercats" quanto eu", empolga-se. "É a oportunidade para fazer um espetáculo de fantasia e ficção científica que o público nunca viu antes. É uma mitologia riquíssima, com personagens fantásticos."

O desenho original chegou à TV ianque em 1985, contando a história de alienígenas com características felinas que, após a destruição de seu planeta, terminam como refugiados no inóspito Terceiro Mundo. Liderados por Lion-O, eles constroem uma fortaleza tecnologicamente avançada, mas entram em choque com os planos sombrios do feiticeiro Mumm-Ra (o de vida eterna) e seus comandados, os Mutantes.

O estilo de animação era totalmente diferente de outro grande sucesso da época, "He-Man and the Masters of the Universe". Os "Thundercats" tinham clara inspiração em animes, com a animação executada pelo estúdio japonês Pacific Animation Corporation. A série teve um revival de pouco sucesso em 2011, e uma terceira série, "Thundercats Roar", exibida pelo Cartoon Network em 2020.

Sendo bem honesto, "Thundercats" funciona como memória afetiva, mas a série sempre mirou em um público infantil e nunca abraçou a sofisticação que seu conceito sugeria. Não havia uma evolução narrativa clara, e cada episódio era basicamente uma repetição do anterior: Lion-O entrava em uma encrenca com os Mutantes, Mumm-Ra (o de vida eterna) deixava de ser uma múmia para se tornar o Hulk e o resto dos Thundercats entrava em ação.

As possibilidades, entretanto, são infinitas. Nas entrelinhas estamos lidando com um protagonista que precisa entender seu papel de liderança, mesmo sendo basicamente um adolescente no corpo de um adulto. Explorar a missão dos "Thundercats" para criar um refúgio para o resto de sua raça, exilada no espaço desde a destruição de seu mundo, Thundera, também pode ganhar novos contornos em um longa.

Os fãs, por sua vez, podem deixar de lado o exercício em escolher um elenco para o filme, já que Wingard segue firme em sua opção por criar uma animação, e não uma versão live action. "A ideia é fazer um híbrido em CGI com um visual hiper realista que possa unir o desenho clássico com animação digital moderna", conclui. "Com todo o respeito a meus colegas, mas eu não quero que "Thundercats" fique parecido com "Cats"." Amém, irmão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL