PUBLICIDADE
Topo

Batman em crise: DC Comics demite geral e se prepara para o novo normal

Roberto Sadovski

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Colunista do UOL

13/08/2020 22h12

Com a reestruturação do conglomerado de mídia abraçado pela Warner, uma das consequências da pandemia do coronavírus e da subsequente recessão econômica, a DC Comics, editora do Batman, Superman e outros heróis, não renovou o contrato de profissionais chave de sua operação, alguns com décadas na casa. As consequências devem ser sentidas ao longo dos próximos anos (!), com a redução de títulos e a ênfase em quadrinhos digitais e em graphic novels.

Não é o fim do mundo, já que Batman ainda é um best seller, mas reflete o estado urgente do mundo de hoje. Personagens são vistos como propriedade intelectual no corredor de grandes empresas, e a prioridade sempre será buscar meios de mantê-los relevantes (e lucrativos), independente da plataforma em que eles sejam apresentados.

Na prática, a redução de pessoal na DC significa um olhar mais cuidadoso para distribuição digital e para produção de graphic novels, e menos para títulos mensais. Não é a primeira vez, entretanto, que o mundo dos quadrinhos, em especial das duas maiores editoras de super-heróis do planeta, sofre um "abalo reestrutural". É justamente sobre esse cenário a coluna da semana no canal do UOL no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL