PUBLICIDADE
Topo

Arte Fora do Museu

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Cai um confederado, surge uma divindade africana

Conteúdo exclusivo para assinantes
Andre Deak / Felipe Lavignatti

O projeto Arte Fora do Museu nasceu em 2011 com os pesquisadores e jornalistas Andre Deak e Felipe Lavignatti, como um levantamento de obras de arte nas ruas da cidade de São Paulo. Hoje em mais de 500 cidades do mundo, milhares de obras e centenas de artistas, é um guia de arte urbana que inclui arquitetura, escultura, graffiti e mural. Andre Deak e Felipe Lavignatti são também sócios na produtora Liquid Media Lab, com projetos de comunicação digital, arte e diversos trabalhos no campo da inovação.

Colunista do UOL

10/02/2022 11h53

Resumo da notícia

  • Estátua representa Iemanjá
  • Lugar da nova arte ainda mantém o nome do general confederado
  • Mudança de nome também está em andamento na cidade

Esse espaço tem noticiado nos últimos tempos as derrubadas de monumentos retratando racistas históricos. O EUA é um campo rico dessas estátuas, principalmente dos militares confederados, aqueles mesmos que lutavam pela manutenção da escravidão no país. Mas melhor que tirar essas peças de mau gosto, é substituir por uma com valores totalmente opostos.

Mami Wata de Simone Leigh - Reprodução - Reprodução
Mami Wata de Simone Leigh
Imagem: Reprodução

É o que acaba de acontecer em Nova Orleans. Onde um dia foi a morada da homenagem ao general Robert E. Lee, agora reside uma representação de uma divindade africana. A obra chamada Sentinel (Mami Wata) foi realizada pela artista negra Simone Leigh, representante dos EUA na Bienal de Veneza desse ano. Pela cara dela em sua conta do Instagram dá pra ter uma noção da felicidade da conquista.

A instalação fez parte do encerramento da trienal Prospect New Orleans, de curadoria de Naima J. Keith e Diana Nawi. Em um comunicado oficial, os curadores disseram que o monumento a Robert E. Lee era uma presença ameaçadora da supremacia branca que pairava sobre a cidade e essa instalação é uma rejeição desse simbolismo.

A escultura de Leigh representa Mami Wata, uma corruptela de Mãe Água em inglês. Mami Wata é uma divindade que tem outros nomes pelo continente. No Brasil, Mami Wata é Iemanjá. A invocação de uma divindade da água é especialmente adequada em uma cidade onde o aumento do nível do mar representa uma ameaça existencial. E um monumento a uma deusa negra em uma cidade onde quase 60% da população é descendente de africanos tem muito mais representatividade do que um general que defendia a escravidão.

O próximo passo agora é renomear a área onde está Mami Wata, que ainda carrega o nome de Lee. Uma decisão que já passou pelo conselho da cidade de Nova Orleans, que recomendou a mudança do nome para Égalité Circle em reconhecimento aos laços linguísticos da cidade com o francês e o crioulo haitiano.