PUBLICIDADE
Topo

Aline Ramos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Masculinidade tóxica foi a principal inimiga de Arthur no BBB 21

Aline Ramos

Aline Ramos é jornalista, mas tá mais pra palpiteira, por isso cria conteúdo na internet desde 2014. Você com certeza já fez algum teste dela no BuzzFeed, onde foi redatora por dois anos. É especialista em diversidade e dá consultoria para marcas em temas como raça e gênero. Mas o que ama mesmo é escrever sobre entretenimento e dar opinião sobre tudo, se bobear até sobre a sua vida.

Colunista do UOL

28/04/2021 08h38

Em meio a uma edição conturbada e repleta de recordes de rejeição, Arthur conseguiu sair do BBB 21 de modo sereno. A tranquilidade do crossfiteiro com o feedback que tem recebido após a eliminação tem sido visível. Ele, que sempre se definiu como uma pessoa explosiva, demonstrou ter uma qualidade essencial nessa reta final do programa: a autocrítica.

Tiago Leifert foi certeiro ao dizer logo de cara que Arthur precisa revisitar a sua relação com Carla Diaz para entender melhor as atitudes que teve. O comportamento do agora ex-BBB com a atriz durante o programa pegou mal e foi considerado machista por muita gente.

Mas não foi só isso que marcou a passagem de Arthur pelo BBB 21. Ele também foi bastante julgado por sua agressividade. Ainda que não tenha agredido ninguém fisicamente na casa, quando contrariado, o crossfiteiro reagiu de forma agressiva diversas vezes. E isso também é violência, mas verbal.

Mais que um "macho escroto"

Mesmo repudiando diversas atitudes de Arthur, a capacidade de autocrítica do brother fez o público dar novas chances a ele em alguns paredões. Isso é um privilégio, poucos tiveram essa oportunidade. Em muitos momentos, ele demonstrou arrependimento e vergonha por suas ações. Com isso, conseguiu demonstrar ser mais que um "macho escroto".

Arthur entrou no programa com inúmeros estereótipos colados nele. Por seu tipo físico forte e bombado, muita gente esperava que tivesse um comportamento agressivo e machista, e ele parece ter acreditado que parte disso era o certo em alguns momentos. O crossfiteiro demonstrou ter ideias equivocadas sobre o que é ser homem, o que prejudicou as pessoas que estavam ao redor e principalmente ele mesmo.

Masculinidade tóxica

A dificuldade para expressar sentimentos para Carla Diaz e também a outros participantes, a agressividade instantânea quando contrariado e a vergonha de chorar na frente das pessoas são alguns dos reflexos da masculinidade tóxica que se fizeram presentes na trajetória do crossfiteiro no reality.

Arthur já entendeu que homens, incluindo os crossfiteiros, também choram, mas ainda precisa trilhar um longo caminho para desconstruir os tabus que aprendeu ao longo da vida. Em vários momentos no programa, ele disse que o seu maior inimigo era ele mesmo. E tem razão, a masculinidade tóxica atrapalhou o seu jogo e minou algumas relações que poderiam ter mudado o seu destino no BBB 21.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL