PUBLICIDADE
Topo

Irmão da mais jovem aviadora do mundo acaba etapa de volta ao mundo aos 16

Mack Rutherford em sua chegada ao Quênia apois dois meses nos céus desde partida da Bulgária - Reprodução/Facebook
Mack Rutherford em sua chegada ao Quênia apois dois meses nos céus desde partida da Bulgária Imagem: Reprodução/Facebook

De Nossa

19/05/2022 16h08

Atual detentor do título de mais jovem piloto do mundo (conquistado quando ele tinha apenas 15 anos), o anglo-belga Mack Rutherford quer também se tornar o mais jovem aviador a completar uma volta ao mundo da história.

Aos 16 anos, ele encara a mesma jornada de sua irmã mais velha — Zara Rutherford se tornou em dezembro de 2021 a mais jovem mulher a cruzar o globo com apenas 19 anos — para completar a travessia por 52 paísses e cinco continentes.

Mack partiu de Sofia, na Bulgária, em 23 de março e já voa há cerca de dois meses a uma velocidade média de 300 km/h. Nesta terça (17), ele chegou a Nairóbi, no Quênia, depois de passagem por algumas cidades na Itália, Grécia, Egito e Sudão. Na sexta (20), ele parte rumo ao seu novo destino, a Tanzânia.

Estão ainda na programação de visitas de Mack: Madagascar, Ilhas Maurício, Seicheles, Iêmen, Omã, Emirados Árabes Unidos, Paquistão, Índia, Bangladesh, China, Coreia do Sul, Japão, Estados Unidos, México, Canadá, Groenlândia, Islândia, Reino Unido e Bélgica antes do retorno à Bulgária.

Ele não deve fazer paradas pela Oceania e pelas Américas Central e do Sul, embora possa cruzar seus territórios enquanto voa. É importante notar que a rota de Mack pode ser alterada. Zara, em sua volta ao mundo, encontrou desafios meteorológicos e técnicos que a obrigou a traçar novos roteiros.

O piloto já encontrou dificuldades semelhantes, especialmente com o espaço aéreo fechado em porções do Leste Europeu devido ao conflito na Ucrânia. Assim, Irã, Turcomenistão, Cazaquistão e o leste da Rússia saíram do seu mapa.

Sua travessia do Saara também foi dificultada por problemas de visibilidade. "Não me decepcionei, amei as vistas ao redor do deserto e no Quênia", contou à agência Reuters nesta quinta. Entre os passeios pelos céus que Mack teria gostado mais está a vista do Monte Kilimanjaro — que ele cruzou há poucas horas, salientou sua equipe no Instagram.

O jovem, que também tem pais na aviação, voa com aeronave microleve e patrocínio da empresa ICDSoft neste projeto. Não há data ainda de previsão para o fim de sua travessia. Caso complete o proposto, ele baterá o recorde de 2021 do britânico Travis Ludlow que concluiu sua volta ao mundo aos 18 anos.