PUBLICIDADE
Topo

Aeroporto de Congonhas testa câmeras de reconhecimento facial no embarque

Reconhecimento facial: tecnologia guia projeto-piloto no aeroporto de São Paulo - John M Lund Photography Inc/Getty Images
Reconhecimento facial: tecnologia guia projeto-piloto no aeroporto de São Paulo Imagem: John M Lund Photography Inc/Getty Images

De Nossa

15/06/2021 14h55

O Aeroporto de Congonhas lançou nesta terça (15) um projeto-piloto que usa reconhecimento facial para facilitar o embarque. Com a implementação da tecnologia, a apresentação do cartão do embarque e dos documentos de identificação deve ser dispensada no futuro.

Chamada de Embarque + Seguro 100% Digital, a proposta é a primeira a testar o serviço em uma ponte aérea — no caso, com o Aeroporto Santos Dumont, no Rio — de ponta a ponta. O objetivo é não só acelerar o momento entre chegar ao aeroporto e sentar-se na aeronave, como também tornar o processo mais seguro.

Por enquanto, só podem utilizar a nova plataforma os passageiros que viajam pela Azul Linhas Aéreas, em alguns voos para a capital fluminense. Os testes ocorrem em três etapas: check-in, entrada na sala de embarque e no portão 1, onde está o último leitor digital.

Aeroporto de Congonhas - Repprodução/Agência Brasil - Repprodução/Agência Brasil
Aeroporto de Congonhas: local onde o teste da tecnologia está sendo realizado
Imagem: Repprodução/Agência Brasil

Aqueles que topam participar fornecem o CPF e uma foto. Tudo é feito por um aplicativo do Sepro, que bate as informações com bancos de dados do governo federal e faz o cadastro da pessoa. Com os dados, será possível analisar indicadores como redução no tempo em filas.

Se o projeto-piloto der certo, cada viajante poderá realizar o cadastro antes de sair de casa pelos próprios aplicativos das companhias aéreas. Assim, totens com leitores digitais conseguiriam fazer o reconhecimento facial na entrada da sala de embarque e antes do acesso ao avião.

O Embarque +Seguro, idealizado pelo Ministério da Infraestrutura (MInfra) e desenvolvido pelo Serpro, empresa de tecnologia do Governo Federal, foi testado sem ponte aérea nos aeroportos de Florianópolis, Salvador, Rio de Janeiro (Santos Dumont) e Belo Horizonte (Confins).