PUBLICIDADE
Topo

Descubra os melhores vinhos para servir com 5 queijos brasileiros

Queijos nacionais também podem compôr tábua de frios - Getty Images/Image Source
Queijos nacionais também podem compôr tábua de frios Imagem: Getty Images/Image Source

De Nossa

21/03/2021 04h00

Queijo e vinho é uma combinação tão manjada quanto interessante. A rica variedade de cada um dos produtos permite uma porção de harmonizações que não deixam os amantes do comer e beber ficarem entediados.

Nestas sugestões da Jessica Marinzeck, sommelière da Evino, o francês brie e o suíço gruyère abrem espaço para versões brasileiras, como minas frescal e Tulha.

Jessica explica que o "match" perfeito acontece, geralmente, por contrastes:

O queijo é gorduroso e causa uma sensação untuosa na boca, que é balanceada pela acidez do vinho. Dessa forma, o queijo e o vinho ficam em equilíbrio na boca, criando uma textura mais agradável".

Confira as dicas de harmonização com cinco queijos nacionais:

Canastra

Queijo nacional Serra da Canastra: semi curado - Rodrigo Moreira/Getty Images/iStockphoto - Rodrigo Moreira/Getty Images/iStockphoto
Queijo nacional Serra da Canastra: semi curado
Imagem: Rodrigo Moreira/Getty Images/iStockphoto

Forte, denso e levemente picante. São essas as características do queijo preparado com leite cru há mais de duzentos anos na Serra da Canastra, região produtora em Minas Gerais.

"Para equilibrar as características do queijo Canastra, aposte em vinhos feitos a partir da Cabernet Franc, que apresentam aromas de cranberry, rosas e especiarias como pimenta-preta", afirma Jessica.

Tulha

Queijo Tulha, da Fazenda Atalaia, em Amparo - Reprodução - Reprodução
Queijo Tulha, da Fazenda Atalaia, em Amparo
Imagem: Reprodução

Primeiro a conquistar medalha do ouro no World Cheese Awards, o queijo Tulha ficou famoso por ser a escolha de chefs renomados, como Alex Atala. Produzido na Fazenda Atalaia, em Amparo (SP), ele é firme como um parmesão, mas se desmancha na boca.

Tem casca dura e sabor frutado, levemente salgado. "Para harmonizar com este queijo de sabor incisivo, o ideal é combinar com um vinho branco que seja encorpado e bem estruturado, mas que também seja frutado e tenha notas cítricas, como um chardonnay", diz Jessica. A ideia é balancear sal e gordura com fruta e acidez.

No site da Fazenda Atalaia, a marca também sugere a combinação do queijo com espumante. Tintos e rosés passam longe das indicações.

Azul do Bosque

Azul do Bosque, da Capril do Bosque - Divulgação - Divulgação
Azul do Bosque, da Capril do Bosque
Imagem: Divulgação

O queijo é obra da Capril do Bosque, produtora de Joanópolis (SP). Produzido com queijo de cabra e mofo azul, é macio e tem sabor intenso. Os processos foram inspirados no stilton inglês, no caso feito com leite de vaca.

"Ele pede um vinho que tenha a mesma intensidade de aromas e sabores, como o viognier, que apresenta aromas de damasco, maracujá, manga, abacaxi e pêssego".

A variedade viognier é mais cultivada na África do Sul e costuma resultar em vinhos robustos, aromáticos, com alto teor alcoólico e baixa acidez.

Minas Frescal

Queijo minas frescal - Luiz Henrique Mendes/Getty Images/iStockphoto - Luiz Henrique Mendes/Getty Images/iStockphoto
Queijo minas frescal
Imagem: Luiz Henrique Mendes/Getty Images/iStockphoto

Fácil de encontrar em mercados por todo o Brasil, o minas frescal é conhecido pela consistência mole e pelo alto grau de umidade. Com sabor levemente ácido, faz bom par com garrafas de vinho branco.

"Geralmente consumido como aperitivo ou em saladas e lanches mais leves, o queijo pede um vinho branco de sabores e aromas igualmente delicados como é o vinho verde, um clássico de corpo leve, acidez acentuada e final frutado e delicado".

Queijo do Marajó

Queijo do Marajó: especialidade do Pará - Luiz Henrique Mendes/Getty Images/iStockphoto - Luiz Henrique Mendes/Getty Images/iStockphoto
Queijo do Marajó: especialidade do Pará
Imagem: Luiz Henrique Mendes/Getty Images/iStockphoto

Elaborado a partir do leite de búfala, o queijo é tradicional da Ilha do Marajó, no Pará. A produção começou há séculos com fazendeiros portugueses e franceses que se estabeleceram na Ilha.

Extremamente cremoso, chegou a levar a medalha de Prata na 4ª Edição do Mondial du Fromage et des Produits Laitiers, na França.

"Devido à sua cremosidade, assim como ao seu sabor delicado e à gordura do leite de búfala, é ideal que o vinho tenha um alto nível de acidez para limpar o paladar e ao mesmo tempo tenha sabores delicados para não sobrepor o queijo, como um bom espumante", explica Jessica.

Tradutor: Os melhores vinhos para acompanhar queijos brasileiros, como Canastra e Minas