PUBLICIDADE
Topo

Espanha prorroga exigência de exame para passageiros do Brasil

A lista de países considerados de risco é revisada a cada 15 dias - Eduardo Parra/Europa Press via Getty Images
A lista de países considerados de risco é revisada a cada 15 dias Imagem: Eduardo Parra/Europa Press via Getty Images

23/02/2021 09h13

A Espanha prorrogou até o dia 7 de março a exigência de um exame de PCR para a entrada de viajantes procedentes de 13 países latino-americanos, entre eles o Brasil.

A lista também inclui Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana e Uruguai, além de Porto Rico, segundo divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores espanhol. A Costa Rica, que estava listada há 15 dias, não está mais.

O governo espanhol exige desde 23 de novembro um exame de PCR negativo aos passageiros que entrarem por via aérea ou marítima procedentes de países considerados de alto risco de contágio do novo coronavírus. O testo precisa ter sido feito até 72 horas antes da chegada.

Um dos critérios para a inclusão na lista é apresentar uma incidência acumulada superior a 150 casos de covid-19 a cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

As condições valem para países não membros da União Europeia (UE) ou do Espaço Econômico Europeu. Para esses, os critérios são estabelecidos pela própria UE.

A lista de países considerados de risco é revisada a cada 15 dias, e a atualização das revisões é efetivada sete dias depois, para que companhias de transporte, agências de viagem e operadores turísticos possam fazer os ajustes necessários.

A Espanha também impõe a partir desta segunda-feira uma quarentena aos passageiros procedentes do Brasil, assim como da África do Sul, de modo a evitar a propagação de novas variantes do coronavírus Sars-CoV-2, causador da covid-19.

A quarentena será obrigatória para todas as pessoas que chegarem a qualquer aeroporto espanhol procedentes de Brasil ou África do Sul, como origem ou escala, durante os dez dias posteriores à chegada, que serão sete caso o passageiro seja submetido a um teste de infecção ativa e tenha resultado negativo.

Esses passageiros devem permanecer em seus domicílios sem se reunirem com outras pessoas, segundo uma ordem do Ministério da Saúde espanhol.