PUBLICIDADE
Topo

Bichos

Tudo o que você precisa saber para cuidar do seu pet

Fotos da vida selvagem: este é o mosquito mais bonito do mundo?

Mosquito Sabethes: apenas as fêmeas se alimentam de sangue e somente quando estão prestes a botar ovos - GIL WIZEN/WPY
Mosquito Sabethes: apenas as fêmeas se alimentam de sangue e somente quando estão prestes a botar ovos Imagem: GIL WIZEN/WPY

Jonathan Amos - Correspondente de Ciência da BBC

05/09/2021 19h13

O mosquito Sabethes é visualmente deslumbrante, mas também um temido transmissor de doenças.

É impossível não se maravilhar com sua beleza. Este mosquito fêmea, com suas fabulosas patas peludas e brilho iridescente, é um espanto.

É uma das espécies do gênero Sabethes encontradas na América Central e do Sul.

É uma pena que este espécime em particular também seja um importante vetor de doenças tropicais.

A foto foi tirada pelo fotógrafo e entomologista Gil Wizen de Ontário, no Canadá. E sua obra está entre as "altamente elogiadas" da edição deste ano do concurso Wildlife Photographer of the Year (WPY, ou "Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano", em tradução livre).

Role esta página para baixo, e você poderá apreciar outras imagens do mesmo porte da 57ª edição do renomado prêmio.

Gil é entomologista por formação, então ele realmente entende do assunto. Conseguir este tipo de foto requer muito planejamento, paciência — e até mesmo um pouco de dor.

Ele descreve os mosquitos Sabethes como extremamente ariscos e difíceis de fotografar bem, especialmente sob o calor e a umidade constante da Floresta Amazônica no Equador, onde esta foto foi tirada.

O mosquito responde ao mais ínfimo dos movimentos e às mudanças na intensidade da luz", diz ele.

"Isso significa que você precisa ficar imóvel ao tentar fotografá-lo, e também estar preparado para o mosquito fugir se usar flash. Felizmente, você nunca está sozinho com um único mosquito, geralmente há dezenas deles pairando sobre sua cabeça."

"Estes mosquitos são vetores importantes de várias doenças tropicais, como a febre amarela e a dengue", diz.

Enquanto tirava a foto, fui picado por este e vários outros mosquitos, aumentando o risco de contrair uma doença tropical transmitida por vetores. Mas ainda estou vivo!"

Qualquer pessoa que já tentou tirar uma foto de um inseto entenderá que Gil teve que "empilhar" várias imagens com focos diferentes para obter a profundidade de campo necessária para mostrar todos os detalhes ao longo de seu corpo.

Observe como as patas traseiras do mosquito se mantêm altas enquanto ele se alimenta do sangue da junta de Gil. Eles são sensoriais. O inseto precisa permanecer hiperconsciente do que está acontecendo ao seu redor, caso haja necessidade de fugir rapidamente.

E também, claro, há essas "plumas" nas outras patas. Seu propósito não é totalmente claro, mas provavelmente estão envolvidas em atrair um parceiro.

Há mais de 3,3 mil espécies de mosquitos no mundo. Mas eles têm poucos admiradores.

A maioria de nós não para para examiná-los de perto quando os golpeamos. Mas, se fizéssemos isso, encontraríamos várias escamas coloridas e pelos, diz Erica McAlister, curadora sênior do Museu de História Natural de Londres, que organiza o concurso WPY.

Em alguma medida, tudo tem seu lugar na natureza.

A fêmea Sabethes só vai se alimentar de sangue quando está prestes a botar ovos. O resto do tempo ela se alimenta de néctar. Portanto, será uma polinizadora", explica Erica.

"É preciso lembrar que ela está sendo manipulada por esses vírus (da dengue e da febre amarela). Essa é uma maneira de ver as coisas."

A imagem de Gil é intitulada Beautiful bloodsucker("Bela sugadora de sangue", em tradução livre). A seguir, confira outras fotos altamente elogiadas do concurso.

Raposa na tempestade, de Jonny Armstrong, EUA

Uma raposa procura carcaças de salmão na parte rasa do Lago Karluk, no Refúgio Nacional da Vida Selvagem de Kodiak, no Alasca.

Uma raposa procura carcaças de salmão na parte rasa do Lago Karluk, no Refúgio Nacional da Vida Selvagem de Kodiak, no Alasca. - JONNY ARMSTRONG/WPY - JONNY ARMSTRONG/WPY
Imagem: JONNY ARMSTRONG/WPY

Magia do cogumelo, de Juergen Freund, Alemanha/Austrália

Um fungo brilhante se agarra a uma árvore morta na floresta tropical de Queensland, na Austrália.

A grande travessia, de Buddhilini de Soyza, Sri Lanka/Austrália

guepardos - BUDDHILINI DE SOYZA/WPY - BUDDHILINI DE SOYZA/WPY
Imagem: BUDDHILINI DE SOYZA/WPY

Bravos nadadores. Guepardos machos, também conhecidos como chitas, nadam pelo rio Talek, em meio à cheia, em Maasai Mara, no Quênia.

Design tóxico, de Gheorghe Popa, Romênia

Um drone olha do alto para um rio poluído no Vale Geamana, nas montanhas Apuseni da Romênia. - GHEORGHE POPA/WPY - GHEORGHE POPA/WPY
Imagem: GHEORGHE POPA/WPY

Um drone olha do alto para um rio poluído no Vale Geamana, nas montanhas Apuseni da Romênia.

Filhotes em lockdown, de Gagana Mendis Wickramasinghe, Sri Lanka

Três filhotes de periquito-de colar põem a cabeça para fora do buraco do ninho quando o pai retorna com comida. Esta foto foi tirada por Gagana, de 10 anos, da varanda de sua casa em Colombo. - GAGANA MENDIS WICKRAMASINGHE/WPY - GAGANA MENDIS WICKRAMASINGHE/WPY
Imagem: GAGANA MENDIS WICKRAMASINGHE/WPY

Três filhotes de periquito-de colar põem a cabeça para fora do buraco do ninho quando o pai retorna com comida. Esta foto foi tirada por Gagana, de 10 anos, da varanda de sua casa em Colombo.

Os vencedores do concurso Wildlife Photographer of the Year serão anunciados no dia 12 de outubro durante a cerimônia de premiação. Já a exposição anual do Museu de História Natural de Londres com as fotografias será aberta logo depois, no dia 15 de outubro.