PUBLICIDADE
Topo

Histórias do Mar

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Abraços, emoção e festa: como foi o dia da descoberta do navio Endurance

John Shears e Mensun Bound, líderes da equipe, celebrando a descoberta do Endurance, que afundou há 107 anos na Antártica - Frédéric Bassemayousse
John Shears e Mensun Bound, líderes da equipe, celebrando a descoberta do Endurance, que afundou há 107 anos na Antártica
Imagem: Frédéric Bassemayousse
Conteúdo exclusivo para assinantes
Jorge de Souza

Jorge de Souza é jornalista há quase 40 anos. Ex-editor da revista "Náutica" e criador, entre outras, das revistas "Caminhos da Terra", "Viagem e Turismo" e "Viaje Mais". Autor dos livros "O Mundo É Um Barato" e "100 Lugares que Você Precisa Visitar Antes de Dizer que Conhece o Brasil". Criou o site www.historiasdomar.com, que publica novas histórias náuticas verídicas todos os dias, fruto de intensas pesquisas - que deram origem a seu terceiro livro, também chamado "Histórias do Mar - 200 casos verídicos de façanhas, dramas, aventuras e odisseias nos oceanos", lançado em abril de 2019.

Colunista do UOL

16/04/2022 04h00

"Hoje é o dia!", repetiu uma vez mais, como vinha fazendo todos os dias, desde que ali chegara, 18 dias antes, o inglês Mensun Bound, diretor da expedição que tentava encontrar os restos do barco Endurance, do explorador Ernest Shackleton, afundado no mar da Antártica 107 anos antes.

Depois disso, a equipe só teria mais três dias antes de ter que abandonar a região — e abortar a missão —, por conta da chegada das primeiras nevascas do inverno antártico.

Era o dia 5 de março deste ano, ainda verão na Antártica, mas fazia frio, como sempre faz no Continente Gelado, e o céu estava cinza e nublado, como é comum na região.

Ausentes no grande momento

Mesmo assim, Bound aceitou o convite do seu amigo e coordenador da expedição, John Shears, um veterano geógrafo polar, para dar um passeio sobre o mar congelado nos arredores do navio, até uma montanha de gelo, a cerca de um quilômetro e meio de distância — onde uma colônia de pinguins quebrava a monotonia da paisagem eternamente branca da Antártica.

"Precisamos esticar um pouco as pernas", disse Shears, ao amigo.

 John Shears, Mensun Bound, Nico Vincent e JC Caillens, líderes da equipe que descobriu o Endurance - Esther Horvath/Falklands Maritime Heritage Trust - Esther Horvath/Falklands Maritime Heritage Trust
John Shears, Mensun Bound, Nico Vincent e JC Caillens, líderes da equipe que descobriu o Endurance
Imagem: Esther Horvath/Falklands Maritime Heritage Trust

Enquanto caminhavam, Bound comentou que eles deveriam estar exatamente sobre o que tanto buscavam, só que 3 mil metros abaixo dos seus pés.

"Eu sinto isso", brincou o diretor da expedição, cujo objetivo era localizar e filmar os restos do histórico barco de Shackleton, que afundara pouco antes de o explorador partir em busca da salvação, naquela que é considerada a mais extraordinária luta pela sobrevivência na história da Antártica.

E era verdade.

A melhor das notícias

Um par de horas depois, quando os dois retornaram ao navio que servia de base para a expedição, o Agulhas II, Bound e Shears foram chamados rapidamente à sala de comando.

Bound e Shears na cabine de controle observando a descoberta do Endurance - Frédéric Bassemayousse - Frédéric Bassemayousse
Imagem: Frédéric Bassemayousse

O primeiro pensamento de Shears fora que algo de ruim havia acontecido com o robô submarino — uma espécie de drone subaquático, que vinha sendo usado para vasculhar o fundo do mar, em busca de sinais do barco -, como ocorrera na primeira expedição, três anos antes, quando o equipamento desapareceu sob a espessa camada de gelo e a operação teve que ser suspensa.

Mas, desta vez, não.

A notícia era a melhor possível.

Imagem intrigante

Enquanto Bound e Shears caminhavam sobre o gelo, trocando amenidades, a câmera do drone submarino, permanentemente monitorada por um par de técnicos a bordo do Agulhas II, revelara algo intrigante.

Em vez da monótona paisagem plana do fundo do Mar de Weddell, o sonar do drone captara uma certa elevação, que logo revelaria ser a de um grande barco de madeira, assentado sobre a areia.

Busca por Endurance, barco de Ernest Shackleton - Falklands Maritime Heritage Trust/National Geographic - Falklands Maritime Heritage Trust/National Geographic
Imagem: Falklands Maritime Heritage Trust/National Geographic

Como barcos de madeira só eram usados no passado, e não havia registros de outros naufrágios naquele pedaço de mar congelado, só podia ser ele: o Endurance. E era.

Nome no casco

O drone se aproximou daquela intrigante elevação no fundo e transmitiu, em tempo real, para os técnicos no navio, três quilômetros acima, a imagem da popa de um grande barco, com o nome "Endurance" claramente visível nela.

popa endurance - Falklands Maritime Heritage Trust  - Falklands Maritime Heritage Trust
Imagem: Falklands Maritime Heritage Trust

Eles, finalmente, haviam encontrado o lendário barco de Shackleton.

Praticamente intacto

Apesar da profundidade abissal, a visibilidade era tão extraordinária quanto o estado do barco, praticamente intacto, embora tivesse afundado mais de um século antes (gire a galeria abaixo e veja imagens do navio, do explorador Ernest Shackleton e da tripulação que sobreviveu ao gelo antártico)

Cordas e pedaços de madeira estavam espalhados ao lado dos mastros caídos, o que ocorreu quando ele começou a ser esmagado pelo gelo, antes de afundar, e uma solitária bota, de um dos tripulantes, jazia próxima a uma das escotilhas, possivelmente aberta quando o barco mergulhou rumo às profundezas.

Era como se o Endurance tivesse afundado na véspera, e não em 1915.

timao endurance - Falklands Maritime Heritage Trust - Falklands Maritime Heritage Trust
Imagem: Falklands Maritime Heritage Trust

Foto no celular

Estupefato, um dos operadores do drone gravou uma imagem no seu celular e correu para avisar os dois líderes da expedição — Bound e Shears, que, justamente no momento mais emocionante daquela expedição se distraiam, longe do navio, observando com o andar desengonçado dos pinguins.

Só quando retornaram, é que ele pode dar a mais aguardada de todas as notícias:

- Senhores, deixe-me apresentar o Endurance! — disse o operador, exibindo a imagem no celular para os dois ainda assustados recém-chegados.

Busca por Endurance, barco de Ernest Shackleton - Esther Horvath/Falklands Maritime Heritage Trust - Esther Horvath/Falklands Maritime Heritage Trust
Imagem: Esther Horvath/Falklands Maritime Heritage Trust

Risadas histéricas

Uma chuva de aplausos e risadas quase histéricas explodiu no ambiente, enquanto Shears tentava recuperar o fôlego com a notícia, que era a que ele menos esperava quando fora chamado com urgência à cabine de comando do Agulhas II.

Descoberta do Endurance - Histórias do Mar - Frédéric Bassemayousse - Frédéric Bassemayousse
Imagem: Frédéric Bassemayousse

"Fiquei sem palavras", contou Shears, na primeira entrevista que deu, ainda a bordo do navio, para a Reach the World, uma organização educacional não governamental que produz conteúdo para estudantes usarem em salas de aulas.

"Além de termos encontrado o barco, ele ainda está em perfeito estado!", vibrou, emocionado.

Festa no gelo

Naquela noite, a eufórica tripulação da expedição improvisou uma festa em uma tenda montada sobre o gelo, bem ao lado do navio, com bebida, comida e música.

Descoberta do Endurance - Hitórias do Mar - Frédéric Bassemayousse - Frédéric Bassemayousse
Imagem: Frédéric Bassemayousse

Mas, na manhã seguinte, após finalizarem a missão, filmando todo o barco (do qual nada foi retirado, já que ele fora classificado como monumento histórico, pelo Tratado Antártico) partiram.

Destino: a Ilha Georgia do Sul, a mesma que Shackleton atingiu em uma heroica travessia de 800 quilômetros, no furioso mar antártico, com um simples bote do Endurance, em busca da salvação para os seus 27 comandados (todos, enfim, resgatados).

E, também, a mesma ilha onde ele seria enterrado, sete anos depois, após sofrer um ataque cardíaco quando retornava para mais uma expedição à Antártica.

Busca por Endurance, barco de Ernest Shackleton - Esther Horvath/Falklands Maritime Heritage Trust - Esther Horvath/Falklands Maritime Heritage Trust
Imagem: Esther Horvath/Falklands Maritime Heritage Trust

Uma coincidência de arrepiar

Na ilha, a equipe de Bound e Shears desembarcou e foi prestar homenagens junto ao túmulo onde Shackleton está enterrado.

Descoberta do Endurance - Histórias do Mar - Frédéric Bassemayousse - Frédéric Bassemayousse
Imagem: Frédéric Bassemayousse

Era o dia 5 de março de 2022 - exatos 100 anos da data do enterro do famoso explorador, que foi sepultado em 5 de março de 1922.

A coincidência deixou os membros da equipe arrepiados.

Mas Mensun Bound viu a efeméride de outra forma:

- Não haveria melhor maneira de concluir este projeto", disse, antes de voltar para casa, feliz e aliviado.

Bound, finalmente, acertara a previsão que fazia todos os dias.

O Endurance fora encontrado.

E exatamente debaixo dos seus pés.