PUBLICIDADE
Topo

Chelsea

Hamilton e Serena Williams entram na briga para comprar o Chelsea, diz TV

Lewis Hamilton, da Mercedes, pode entrar na briga pelo Chelsea - Joe Portlock - Formula 1
Lewis Hamilton, da Mercedes, pode entrar na briga pelo Chelsea Imagem: Joe Portlock - Formula 1

Esporte News Mundo (redacao@esportenewsmundo.com.br)

21/04/2022 07h47

Segundo a Sky Sports, Lewis Hamilton, do automobilismo, e Serena Williams, do tênis, irão pagar cerca de 10 milhões de libras cada (R$60 milhões) para investir em uma das propostas que visam garantir a compra do Chelsea. Em caso de sucesso, serão dois dos novos donos do clube.

Lewis Hamilton e Serena Williams irão desembolsar os valores para se juntarem ao empresário Martin Broughton, com o intuito de liderarem a disputa do processo de compra do clube inglês. Segundo as informações, os dois já conversam com o empresário há semanas. O piloto da Fórmula 1 afirma que não deseja ter um cargo fixo dentro do clube, mas que seu papel seria para trazer diversidade, igualdade e inclusão ao Chelsea.

Broughton é um empresário de sucesso na Europa. O britânico é presidente da companhia de aviação British Airways, além de ser ex-presidente do Liverpool , um dos rivais do Chelsea. Portanto, possui grande experiência no cenário do futebol inglês. Com o investimento de Hamilton e Serena, a compra de um novo clube seria facilitada, pelos valores que seriam adicionados na proposta.

Hamilton é o piloto mais famoso do mundo atualmente, sendo heptacampeão da Formula 1. Serena Williams é ex-número 1 do tênis feminino e já venceu 23 Grand Slams em sua carreira. O investimento em outro esporte, sendo donos do clube, pode abrir novas portas para os dois.

O Chelsea está à venda depois que o atual dono, Roman Abramovic, têm feito o clube sofrer diversas sanções futebolísticas, já que ele possui relações diretas com o presidente da Rússia, Vladmir Putin. Os órgãos do futebol criaram diversas punições para donos e clubes que tem relações com o país russo, e o Chelsea têm sofrido com isso, levando o dono a colocar o clube à venda.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi publicado, Serena Williams não é mais a líder do ranking mundial de tênis feminino. O erro foi corrigido.

Chelsea