PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Pia avalia derrota em amistoso: "Com dois treinos, foi difícil montar time"

23.10.21 - Brasil perde para a Austrália em amistoso feminino - Thaís Magalhães / CBF
23.10.21 - Brasil perde para a Austrália em amistoso feminino Imagem: Thaís Magalhães / CBF

Esporte News Mundo (redacao@esportenewsmundo.com.br)

23/10/2021 12h27

A técnica da seleção brasileira, Pia Sundhage, concedeu coletiva de imprensa após derrota por 3 a 1 no confronto amistoso com a Austrália, em Sydney, neste sábado (23), em jogo preparatório. Apesar da derrota, a treinadora considerou o jogo um momento importante, e diz que haverá mudanças no estilo da partida brasileira para o próximo confronto, também com a Austrália, na próxima terça-feira (26).

"Acho que ataque e defesa foram muito bons no primeiro tempo. Estou feliz porque todas estão saudáveis, e marcar um gol foi importante. Fizemos muitas mudanças devido à longa viagem, e sei que isso foi difícil. Ainda assim, no geral, foi um jogo animador com o qual temos muito a aprender", disse.

A respeito do sistema defensivo, no primeiro tempo, composto por Bruninha, Tamires, Antônia e Érika, Pia foi questionada sobre a perspectiva de jogo em relação ao setor —e se há solução para o elenco não depender, somente, de Érika, que saiu para a entrada de Tainara no segundo tempo.

"Trocamos as jogadoras de defesa por causa da longa viagem e do jet lag, Então, estou feliz que elas estejam saudáveis depois de 90 minutos. Nós dificultamos para elas. Tivemos alguns bons exemplos e boas respostas. A Antonia, por exemplo, teve um jogo muito bom, o primeiro tempo com a Érika e o segundo com a Tainara. Esse tipo de resposta é interessante, assim como a Bruninha teve algumas situações interessantes também. Cada minuto de jogos internacionais —principalmente com a Austrália, que é a quarta equipe do mundo—, é uma ótima experiência. Quero enfatizar que não se trata apenas das quatro zagueiras defendendo, é sobre quem está jogando na frente delas também. (?.) Há espaço para melhorias, mas também tivemos uma ótima experiência neste jogo", completou.

A imposição física também foi assunto da coletiva de imprensa. "Não se trata, apenas, do quão longe você corre ou quão rápido você é, porque se você olhar para a parte física, eu acho que Ludmila e Giovanna são muito boas fisicamente quando se trata de correr de A para B. Elas, às vezes, encontraram dificuldade frente às defensoras da Austrália. A Austrália tem uma boa defesa, e tivemos que lidar com isso para ter certeza de que sairíamos da pressão. Também é sobre o posicionamento quando nós defendemos —não se trata, apenas, da parte física, embora desempenhe um papel na defesa. E quero trazer isso à tona novamente, se não tivéssemos feito uma viagem tão longa, a Érika teria jogado os 90 minutos, mas realmente queremos ter certeza de que ela estará saudável", disse Pia.

Outros pontos da coletiva da treinadora.

Evolução do futebol feminino no Brasil

"É um pouco diferente das Olimpíadas, temos algumas jogadoras novas chegando e tenho que dar-lhes tempo, — no primeiro jogo, é normal que fiquem um pouco nervosas. Elas não estão conectadas com as jogadoras, mas eu acredito nas jogadoras novas, acredito nas jogadoras mais jovens e apenas dou tempo. Ao mesmo tempo, dou experiência, então, esses dois jogos aqui acho que são bons para nós ao longo do prazo. E há um pouco de equilíbrio. Você quer que o ataque seja criativo, você quer elas avancem. Ao mesmo tempo, você não quer que percam a posse, então, um pouco de equilíbrio deve avançar ou você muda o ponto de ataque e começa de novo."

O que faltou para vencer

"Acho que é um pouco mais sobre defesa e, de novo, essa era uma nova equipe. Tínhamos apenas dois treinos, então foi um pouco difícil montar um time. Mas isso é apenas uma parte, eu acho que podemos ganhar a bola um pouco mais no alto. Quando nós temos chances de jogadas mais rápidas e de diminuir o ritmo, todos precisam estar na mesma página. Mas eu acredito que há algumas jogadoras muito boas em campo e, algumas vezes, elas cometem erros, jogadoras jovens cometem erros. Mas também são tão inteligentes, trazendo esse equilíbrio. No futuro, elas terão uma boa ideia de como ter sucesso, juntas, na mesma página."

Futebol