PUBLICIDADE
Topo

Fernando Scheffer diz que nadar em raia 'escondida' o ajudou para o bronze

Domitila Becker

Do UOL, em Tóquio (Japão)

28/07/2021 14h31

O nadador Fernando Scheffer, que conquistou a medalha de bronze nos 200 m livre dos Jogos Olímpicos de Tóquio, apontou seu jeito discreto e a tentativa de evitar a pressão como fatores que o ajudaram a obter o resultado, que além do pódio teve o recorde sul-americano.

Em entrevista a Domitila Becker no programa UOL News Olimpíadas, Scheffer afirma que buscou nadar leve, sem se cobrar, buscando apenas fazer o melhor tempo que podia, além de apontar que o fato de nadar na raia 8 o ajuda a imaginar como se estivesse apenas em uma tomada de tempo e não em uma final olímpica.

"A gente sempre treina durante todos esses anos almejando o máximo, a gente treina sonhando com a medalha, sonhando com o pódio, mas eu acho que quando a gente chega aqui é importante a gente tenta tirar essa cobrança, não colocar esse peso nas costas e eu tentei nadar da forma mais leve que eu podia, sem me cobrar de que eu tinha que apresentar algum resultado. Nadar feliz, nadar aproveitando e eu acho que deu super certo e a gente conseguiu chegar no nosso objetivo", afirma o nadador.

"Tem a ver também com a minha estratégia até mental de prova, eu gosto de imaginar que eu estou sozinho ali nadando, então, nas raias da ponta eu consigo me esconder um pouquinho mais, consigo esquecer os outros atletas e focar na minha prova, e eu finjo como se eu tivesse fazendo uma tomada de tempo no meu clube e me ajuda até a ficar mais tranquilo, mais relaxado, então eu tenho um carinho especial pelas raias do cantinho da piscina ali", completa.

Scheffer afirma que depois da medalha demorou para cair no sono, já que tinha o receio de acordar de um sonho depois do objetivo cumprido nos 200 m livres.

"Ontem eu não queria nem dormir, porque parecia que eu iria acordar e acordar do sonho. Por mais que a gente sonhe com isso todos os dias, todos os treinos, mentalizando isso, quando a gente chega lá e conquista, não tem palavras e sentimentos que descrevem", conclui.