PUBLICIDADE
Topo

Judoca argelino é punido por 10 anos por não lutar contra israelense

Fethi Nourine, da Argélia, luta contra o brasileiro Eduardo Katsuhiro Barbosa (de azul) no Mundial de 2021 - Mayorova Marina/Federação Internacional de Judô
Fethi Nourine, da Argélia, luta contra o brasileiro Eduardo Katsuhiro Barbosa (de azul) no Mundial de 2021 Imagem: Mayorova Marina/Federação Internacional de Judô

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/09/2021 10h25

O judoca argelino Fethi Nourine e seu técnico, Amar Benikhlef, foram suspensos por 10 anos pela Federação Internacional de Judô (IJF) por se retirarem das Olimpíadas de Tóquio 2020, depois que o sorteio o colocou num duelo contra um israelense.

Fethi, de 30 anos, enfrentaria Mohamed Abdalrasool, do Sudão, em sua primeira luta na categoria 73kg masculina e, caso vencesse, lutaria contra o israelense Tohar Butbul na próxima rodada.

A IJF citou que a dupla usou os Jogos Olímpicos "como uma plataforma de protesto e promoção de propaganda política e religiosa", o que violou seu código de ética e a Carta Olímpica.

Dessa forma, ambos estão proibidos de participar de qualquer evento e atividade da IJF até o dia 23 de julho de 2031, embora ainda possa haver apelação ao Tribunal Arbitral do Esporte, segundo o comunicado.

O atleta da Argélia disse que seu apoio político à causa palestina tornava impossível para ele competir com Butbul.

Vale citar que essa não foi a primeira vez que Fethi se retirou de uma competição para evitar um adversário israelense. O judoca desistiu do Campeonato Mundial de 2019 pelo mesmo motivo.