PUBLICIDADE
Topo

Thomaz é prata nos 400m T47 e Petrúcio é 3º em dobradinha do Brasil

Thomaz Moraes, atleta paralímpico brasileiro - Fabio Chey/CPB
Thomaz Moraes, atleta paralímpico brasileiro Imagem: Fabio Chey/CPB

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/09/2021 09h16

O Brasil fechou o penúltimo dia do atletismo em Tóquio com dois atletas no pódio na prova dos 400 metros T47 (para atletas com deficiência nos membros superiores). Thomaz Moraes conquistou a prata, enquanto Petrucio Ferreira ficou com o bronze na disputa nas Paralimpíadas, realizada neste sábado sob chuva.

A prova começou com Thomaz largando muito bem, ocupando a primeira posição. Ayoub Sadni, do Marrocos, acelerou muito e conseguiu bater o recorde mundial, além de faturar o ouro, com o tempo de 47s38. Thomaz segurou o segundo lugar e terminou com 47s87. Petrúcio, que estava atrás, se recuperou e terminou na terceira posição, com o tempo de 48s04, chegando próximo ao compatriota.

Aos 20 anos, Thomaz escreve seu nome no esporte brasileiro com a medalha mais importante da sua carreira, alcançada com o seu melhor tempo na vida nos 400 metros. Antes, ele foi prata nessa prova no Mundial de Dubai, em 2019.

Bicampeão nos 100m, Petrucio se consagrou em Tóquio como o atleta paralímpico mais rápido do mundo, e agora adiciona mais uma medalha em seu currículo. Essa, aliás, foi a quarta medalha individual em Paralimpíadas. Em 2016, ele também havia sido prata na disputa dos 400m. O resultado foi o mesmo na disputa do revezamento 4x100 metros nos Jogos do Rio.

Em 2019, ele conquistou dois ouros, nos 100m e nos 400m, no Mundial de Dubai. Dois anos antes, Petrucio foi ouro nos 100m e nos 200m no Mundial de Londres. Em Jogos ParapanAmericanos, Petrucio já faturou cinco medalhas, sendo quatro de ouro e uma de prata.

Lucas Lima, que também disputou a final, ficou na sétima colocação com o tempo de 50s11.

Outros resultados

Edenilson Floriani disputou a prova do arremesso de peso na classe F63 (para atletas amputados de membros inferiores com prótese, que abrange diversas categorias), e ficou na sétima colocação. O brasileiro, que se encaixa na categoria F42 (para atletas com deficiência nos membros inferiores), fez 12,82 metros na sua melhor tentativa e não chegou perto de subir no pódio neste sábado.