PUBLICIDADE
Topo

Thiago Paulino perde ouro no arremesso de peso após revisão da prova

Thiago Paulino perde medalha de ouro após revisão da prova nas Paralimpíadas de Tóquio - Marcelo Regua/MPIX/CPB
Thiago Paulino perde medalha de ouro após revisão da prova nas Paralimpíadas de Tóquio Imagem: Marcelo Regua/MPIX/CPB

Colaboração para o UOL, em São Paulo

03/09/2021 21h55

Thiago Paulino perdeu a medalha de ouro conquistada na manhã desta sexta-feira, do Brasil, no arremesso de peso na classe F57 (para atletas que competem em cadeiras de rodas com sequelas de poliomielite, lesões medulares, amputações) nas Paralimpíadas de Tóquio.

Ele, que foi dominante em todo o ciclo paralímpico e é o atual recordista mundial, conquistou a vitória no Estádio Nacional de Tóquio, com dois arremessos que seriam dignos de ouro — diferente do evento olímpico, em que os atletas se apresentam alternadamente por seis rodadas, no paralímpico cada um faz suas seis apresentações de uma só vez. A prova, porém, foi revisada, e exatamente esses dois arremessos foram invalidados por um júri de apelação, provocado pelos chineses.

Os asiáticos apresentaram um vídeo que, segundo o júri, mostraria uma irregularidade nesses dois arremessos. Na classe F57, os atletas precisam competir sentados em uma base que se parece com uma mesa e não podem retirar os glúteos dessa mesa durante a execução do arremesso. Seria essa irregularidade, conhecida no movimento paralímpico como lifting, que Thiago teria cometido.

Mas sequer isso é confirmado pelo IPC ou pelo CPB, que reclama que teve negado acesso às imagens que supostamente mostram a irregularidade. O recurso foi julgado ainda na noite de sexta-feira no Japão, após a prova de Thiago, que fechou o dia, mas só foi conhecido cerca de 12 horas depois, na manhã de sábado (sempre pelo horário local) porque a delegação brasileira precisava ser comunicada diretamente.

Depois de assegurar o ouro dentro da prova, Thiago queimou o quarto e o quinto arremessos, e depois abriu mão de fazer o sexto, o que acabou por custar caro. Com as duas invalidações tardias, ele ficou com apenas o primeiro arremesso válido, de 14,77m, que lhe valeu o bronze. Marco Aurélio Borges, veterano que inspirou Thiago, acabou beneficiado pela mudança no resultado, e acabou com a prata ao marcar 14,85m. O ouro foi para Guoshan Wu, da China, que havia alcançado 15,00m.