PUBLICIDADE
Topo

Cátia foi da seleção de futebol e agora é bronze no tênis de mesa

Cátia Oliveira disputou semifinal no tênis de mesa nas Paralimpíadas 2020 - Takuma Matsushita/CPB
Cátia Oliveira disputou semifinal no tênis de mesa nas Paralimpíadas 2020 Imagem: Takuma Matsushita/CPB

Do UOL, em São Paulo

28/08/2021 01h33

Cátia Oliveira recebeu a convocação para defender a seleção brasileira de futebol no Mundial Sub-17 da categoria em uma tarde, por volta das 17 horas. Seria motivo de muita festa, se ela não tivesse sofrido um acidente automobilístico pela manhã, às 11h, que a deixou paraplégica. Catorze anos depois daquele trauma, ela faturou hoje (28) a medalha de bronze no tênis de mesa nos Jogos Paralímpicos.

O garota nascida na cidade de Cerqueira Cesar estava no banco de trás do carro, dormindo, sem cinto de segurança, quando aconteceu o acidente. As outras duas pessoas no veículo, dirigido por uma colega de time menor de idade, não sofreram nada com o choque, mas ela teve uma lesão na coluna e perdeu os movimentos das pernas.

Foram cinco anos de recuperação até que, em 2012, ela conheceu o tênis de mesa paralímpico e resolveu se arriscar. Em 2016, chegou pela primeira vez à Paralimpíada. E, em 2018, a um feito histórico: a prata no Campeonato Mundial. Mas mais uma vez a felicidade veio junto com uma enorme dor.

O pai dela, Flávio Alves, teve um ataque cardíaco ao saber da classificação da filha para a final do Mundial, precisou ser internado em um hospital, e acabou não resistindo. Faleceu antes que ela subisse ao pódio com a medalha de prata.

Passado o trauma, ela continuou no tênis de mesa e chegou hoje a mais uma conquista histórica. Ontem (27), ao se classificar para a semifinal, ela já havia garantido uma medalha paralímpica. Hoje essa medalha ganhou cor, de bronze, depois que ela foi derrotada pela sul-coreana Su Yeon Seo por 3 a 1, de virada, pelas semifinais das classes 1 e 2, para atletas cadeirantes.

Na madrugada deste sábado, Cátia começou melhor no primeiro game e o fechou em 11/7. Na segunda parcial, a brasileira chegou a liderar, mas levou a virada da sul-coreana, que é a atual campeã mundial e venceu por 11/8.

No terceiro game, Su Yeon abriu vantagem e ganhou por 11/5. Já no quarto, Cátia fez disputa equilibrada, mas viu a sul-coreana ficar com a vitória com o placar de 11/9.

"Estou muito feliz. Lógico que eu queria ter ido para a final e tentado brigar pelo ouro. Tive um desempenho muito bom e perdi em detalhes que fizeram total diferença. Mas em nenhum momento parei de brigar, em momento nenhum abaixei a cabeça. No Rio, não passei da fase de grupos, hoje saio com uma medalha de bronze. E ainda tem mais, já que teremos a disputa por equipes", disse a medalhista paralímpica em Tóquio.

Com esse resultado, o Brasil passa a acumular 20 medalhas conquistadas nas Paralimpíadas de Tóquio, sendo seis de ouro, cinco de prata e nove de bronze. A medalha de Cátia foi a terceira do país neste sábado, quarto dia de eventos no Japão. As outras duas foram no atletismo: a prata de Thalita Simplicio nos 400m rasos T11 e o bronze de Julyana da Silva no lançamento de disco da classe F57.