PUBLICIDADE
Topo

Desconfortáveis ou bem cortados, uniformes também carregam mensagens

Kim Bui, da Alemanha, na trave da ginástica artística de Tóquio-2020  - Ezra Shaw/Getty Images
Kim Bui, da Alemanha, na trave da ginástica artística de Tóquio-2020 Imagem: Ezra Shaw/Getty Images

Denise Mirás

Colaboração para o UOL, de São Paulo

28/07/2021 04h00

O assunto "vestuário" não falha, nas Olimpíadas. Desta vez, veio em forma de protesto contra a sexualização no esporte e foram as alemãs da ginástica artística que tomaram a frente. Antes do início das competições, apareceram nos treinos usando "macaquinhos" que cobrem pernas e traseiros. As representantes dos outros países seguem em Tóquio-2020 com os collants cavados de sempre, mas a questão foi reforçada pelas alemãs. No Europeu de abril, disputado em Basileia, na Suíça, Sarah Voss havia usado a vestimenta de corpo inteiro, no que foi seguida por duas companheiras de equipe.

Sarah disse que na ginástica artística fica difícil para as garotas se sentirem confortáveis com os collants cavados quando deixam de ser criança e ganham corpo mais definido. Aliás, foi justamente por isso que a ginástica mudou de "olímpica" para "artística", impondo idade mínima de 16 anos para a participação das atletas e valorizando performances mais adultas (nas entrelinhas, lendo-se "curvas" e "mais sensuais").

Na ginástica artística, os homens usam camisetas e shorts nas apresentações do salto e do solo, e calças compridas nas barras fixa e paralelas, no cavalo e nas argolas. O que mais confortável para as mulheres, sob um ponto de vista que vai além do físico: seriam olhadas mais como atletas do que como objetos sexuais.

Com a roupa inteiriça no Europeu, Sarah Voss não quebrou regras da Federação Internacional de Ginástica (FIG). Que curiosamente aprova collants mas impõe braços cobertos... A alemã de 21 anos usou a vestimenta para revelar seu constrangimento.

Mas nem sempre foi assim, em outros esportes.

Seleção de vôlei de Cuba em Sydney-2000 - Doug Pensinger/Getty Images - Doug Pensinger/Getty Images
Taimarys Aguero, à frente da seleção de vôlei de Cuba em Sydney-2000
Imagem: Doug Pensinger/Getty Images

Macaquinhos em quadra

As histórias das vestimentas correm soltas pelos bastidores das Federações Internacionais Esportivas.

O vôlei, esporte que não hesita em mudar regras para se adaptar melhor a transmissões de tevê e também atrair mais popularidade e patrocinadores, queria submeter jogadoras aos mesmos collants. E quem estava sempre por trás das decisões do presidente da FIVB, o mexicano Rubén Acosta? A mulher dele, Malu, dizia-se. A sempre presente em jogos e cerimônias, exuberante em maquiagens, penteados, roupas.

A FIVB (ou o casal Acosta mesmo, depois acusado de corrupção) oficialmente impôs medidas, descritas em regulamentos, como o collant. Foi uma grita geral das jogadoras, até mesmo pelo desconforto nos saltos de ataque e bloqueio. Apenas a seleção cubana acabou obedecendo à determinação. As "Morenas do Caribe" aparecem com os tais "maiôs" para o vôlei de quadra nas Olimpíadas de Sydney-2000 e seguiram usando.

Mas, no vôlei de praia, a FIVB impôs sua vontade e venceu, com regras até para medidas em centímetros que determinavam, por exemplo, sunga com pelo menos quatro dedos abaixo do umbigo.

No ouro/prata das brasileiras em Atlanta-1996 (Jackie Silva/Sandra Pires e Adriana/Mônica, respectivamente), estreia do vôlei de praia no programa olímpico, foi dito às medalhistas para subir ao pódio sem agasalhos. E de lá, como Jackie me contou, assim seguiram - direto e cheias de areia - para uma festa numa mansão. Nem deu para comemorar na hora, disse a campeã.

Seleção da Austrália de basquete - Joe Murphy/NBAE via Getty Images - Joe Murphy/NBAE via Getty Images
Lauren Jackson, do basquete da Austrália, com os macaquinhos redesenhados
Imagem: Joe Murphy/NBAE via Getty Images

Desengonçados e bem cortados

Também teve um outro lado nessa história. Foram as australianas do basquete que quiseram deixar os imensos e desengonçados calções, à imagem da moda masculina nos anos 1990. Começaram a usar macaquinhos em lycra, cortados à altura do meio das coxas. Não foram muito bem aceitos, nem por elas, que logo vieram com um modelo voltado para o meio termo: justo mas mais confortável. E as outras seleções adaptaram seus uniformes, também para shorts não tão enormes nem tão justos, mas mais bem cortados — que passaram a predominar.

Em Barcelona-1992, foi uma correria na Vila Olímpica: o uniforme da seleção brasileira feminina de basquete, lançado pela Adidas, tinha listas na frente. Por regulamento da FIBA, listas só tinham sido permitidas nas laterais. Toca dirigente se sacudir atrás de uma loja de artigos esportivos na capital catalã, à caça de shorts de todos tamanhos para a equipe. Senão, o Brasil das mais que aguardadas Paula e Hortência nem entraria na quadra das competições.