PUBLICIDADE
Topo

Calderano não segura as lágrimas após queda no tênis de mesa: 'Muita dor'

Hugo Calderano chora após eliminação nas quartas de final do tênis de mesa nos Jogos Olímpicos de Tóquio - Steph Chambers/Getty Images
Hugo Calderano chora após eliminação nas quartas de final do tênis de mesa nos Jogos Olímpicos de Tóquio Imagem: Steph Chambers/Getty Images

FELIPE PEREIRA

Do UOL, em Tóquio (Japão)

28/07/2021 11h23

Apesar da campanha histórica, Hugo Calderano não escondeu a frustração ao ser eliminado nas quartas de final do tênis de mesa dos Jogos Olímpicos de Tóquio. O brasileiro, o primeiro a chegar a esta fase da competição, perdeu por 4 a 2, de virada, para o alemão Dimitrij Ovtcharov, na manhã de hoje (28), horário de Brasília.

Na capital japonesa, Calderano ainda vai disputar o torneio por equipes, quando estará ao lado de Gustavo Tsuboi e Vitor Ishiy. O torneio começa no próximo domingo.

"É muita dor perder um jogo assim em uma Olimpíada, mas faz parte do esporte também. São quartas de final de uma Olimpíada, e sempre que se perde um jogo assim é doloroso. E não tem como ser diferente. Tem de aprender essa dor para voltar cada vez mais forte", disse.

"Acho que é importante sofrer bastante com esta derrota, que, aí, dá para esquecer mais rápido, talvez. Sempre consegui deixar para trás bem rápido minhas derrotas e focar no futuro", completou.

Hugo iniciou bem o duelo com Ovtcharov e chegou a abrir vantagem de 2 sets a 0, mas viu o adversário crescer e conseguir a virada.

"Não consegui manter a regularidade, o mesmo nível que comecei a partida. Faz parte do esporte. Ele começou a jogar muito melhor, mais regular. Acho que ele se adaptou ao meu jogo, e eu não consegui achar um nível ainda mais alto. Isso fez a diferença", indicou

"12 horas para se sentir mal"

O técnico francês Jean-René Mounié, que acompanha Calderano, fez elogios à atuação do brasileiro nas quartas de final e exaltou a mentalidade do jogador. Por outro lado, disse que o atleta terá "12 horas para se sentir mal" antes do início do trabalho visando o torneio por equipes.

"Hugo é muito forte. Vamos permitir 12 horas para se sentir mal, porque precisamos. Amanhã, a partir de 12h, vamos voltar e projetar em relação à equipe. Ele gosta de fazer o melhor para o tênis de mesa para o Brasil e não tenho dúvida que ele vai voltar com energia", garantiu.