PUBLICIDADE
Topo

Medalha de Scheffer alivia pressão da natação brasileira após Rio-2016

Fernando Scheffer.. Jogos Olimpicos, Tokyo 2020. 27 de Julho de 2021, Toquio, Japao. Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA - Satiro Sodré/SSPress/CBDA
Fernando Scheffer.. Jogos Olimpicos, Tokyo 2020. 27 de Julho de 2021, Toquio, Japao. Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA Imagem: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

Beatriz Cesarini

Do UOL, em Tóquio

27/07/2021 12h00

Fernando Scheffer agitou a noite desta segunda-feira (26) ao conquistar a medalha de bronze na final dos 200m livre dos Jogos de Tóquio. O estreante não era cotado ao pódio e, além de surpreender, começou a construir um legado diferente das Olimpíadas de 2016, quando a seleção brasileira de natação não conquistou premiações em uma competição disputada em casa.

Após um ciclo de cinco anos, a natação nacional seguia pressionada pelo resultado da Rio-2016. Neste ano, as provas em que os brasileiros eram cotados como favoritos a medalha são o 4x100m livre masculino e os 50m livre, com Bruno Fratus. O primeiro acabou decepcionando e ficou com a oitava colocação na final.

Como próprio Scheffer disse depois se classificar para a final dos 200m livre: "É um dia após o outro". A medalha considerada inesperada por muitos tirou o peso das costas de todo o resto da equipe, após três dias de competições. A partir de agora, qualquer resultado supera a campanha na Rio-2016.

"Eu não estive em 2016, mas a galera que chegou a falar que o clima aqui estava muito melhor, muito mais descontraído, leve. As Olimpíadas em casa trouxeram um peso a mais que pode ter tirado um pouco o foco. Acho que a atmosfera que a gente traz para competição define muita coisa. Já me preparei para isso, para vir para cá e tentar criar para mim o melhor ambiente possível, descontraído, sem pressão, sem querer me cobrar ou colocar uma carga em mim que eu não precisava", disse Scheffer.

"Não coloquei cobrança de que eu precisava chegar na final, ganhar medalha. Só queria chegar aqui e fazer a melhor performance que eu pudesse, do jeito que eu treinei, colocar isso na água. Acho que essa foi a cobrança certa que tem de fazer, criar esse ambiente de estar feliz, curtindo, porque todo mundo aqui ama natação, nadar, não pode transformar isso em uma coisa densa, tem que ser leve. chegar em uma final olímpica e nadar feliz", concluiu.