PUBLICIDADE
Topo

Adversário de Medina já foi 'pedra no sapato' e vive despedida do Mundial

Gabriel Medina ganhou o Mundial em 2014, mas Julian Wilson jogou água no chopp do brasileiro - Kirstin Scholtz/World Surf League via Getty Images
Gabriel Medina ganhou o Mundial em 2014, mas Julian Wilson jogou água no chopp do brasileiro Imagem: Kirstin Scholtz/World Surf League via Getty Images

Marcello De Vico

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

25/07/2021 16h10

O australiano Julian Wilson, vice-campeão mundial de surfe em 2018, será o adversário de Gabriel Medina nas oitavas de final das Olimpíadas do Japão - o confronto está marcado para 1h36 (de Brasília) da madrugada de domingo (25) para segunda-feira (26). O aussie não vive boa fase no Mundial e até se prepara para uma pausa por tempo indeterminado do circuito para ficar mais tempo com a família, mas, quando a buzina soar para o início da bateria, uma rivalidade digna dos maiores clássicos de futebol estará em jogo nas águas da praia de Tsurigasaki.

Julian Wilson sempre foi considerado o maior rival de Medina no surfe mundial. Curiosamente, os dois entraram para a elite no mesmo ano: 2011. A diferença é que o brasileiro conseguiu confirmar o favoritismo que sempre existiu em torno dele e já levantou duas taças; já o australiano chegou bem perto, mas não foi campeão: 3º em 2017 e vice em 2018, ano em que brigou pelo título com Medina até a última etapa, em Pipeline, no Havaí.

Com a saída de Mick Fanning e Joel Parkinson do circuito, as apostas do surfe australiano caíram em cima de Julian Wilson. Potencial ele tinha, mas a concorrência veio à altura. E como veio. Além da Brazilian Storm, o havaiano John John Florence também apareceu para deixar ainda mais difícil a conquista de um título mundial. Assim, a Austrália, país tão tradicional no esporte desde os primórdios do circuito, segue sem levantar o caneco desde 2013, com Fanning.

Medina 'favoritaço', mas tem rivalidade em jogo

Medina chega para o confronto com Julian Wilson como franco favorito. O momento do brasileiro, atual líder do ranking com folga e com duas vitórias e três vices em seis etapas, não se compara com o do australiano, que ocupa a 17ª colocação e tem como melhor resultado um quinto lugar - chegou nas quartas de final na etapa de Rottnest Search, na Austrália.

Mas muita coisa estará em jogo no duelo. Para se ter uma ideia, Medina e Julian protagonizaram momentos épicos no circuito mundial de surfe. Foram seis finais de etapas entre eles, com três vitórias para cada lado. O brasileiro levou França (2011), Portugal (2017) e Havaí (2018), enquanto o aussie levou a melhor em Portugal (2012), Havaí (2014) e Taiti (2017).

Gabriel Medina campeão mundial 2014 - Márcio Fernandes/Estadão - Márcio Fernandes/Estadão
Gabriel Medina comemora a conquista do título inédito de campeão mundial de surfe, em Pipeline
Imagem: Márcio Fernandes/Estadão

Dentre elas, duas merecem destaque, ambas em Pipeline, no Havaí. Em 2014, Gabriel Medina tinha acabado de se tornar o primeiro brasileiro campeão mundial de surfe ao avançar para a grande final. Mas ele queria mais: conquistar o até então inédito título em Pipeline, uma das maiores honrarias no mundo do surfe. Julian Wilson, porém, colocou água em seu chopp e venceu de forma espetacular, com notas 9,93 e 9,70, contra um 10 e um 9,20 do brasileiro.

Mas em 2018 teve o troco. Os dois chegaram para a última etapa, em Pipeline, como candidatos ao título - junto de Filipe Toledo. Para Julian Wilson ter chance, Medina não podia chegar na final, o que, como todo mundo sabe, não aconteceu. Assim como em 2014, o brasileiro chegou para a decisão no Havaí já campeão, só que, dessa vez, deu Medina: 18,34 no somatório, contra 16,70 do australiano. Julian Wilson tem, então, motivos de sobra para querer uma revanche.

Julian Wilson se despede do Mundial?

Na semana retrasada, Julian Wilson divulgou nas redes sociais que se afastará por tempo indeterminado do circuito mundial. O surfista de 32 anos ressaltou, porém, que o anúncio não significa uma aposentadoria do surfe profissional.

"De forma alguma estou chamando de aposentadoria do surf profissional e a decisão que tomei está de acordo com o que eu mais valorizo na minha vida, que é minha família. A incapacidade de viajar internacionalmente com eles agora e no futuro é o suficiente para eu dar um passo para trás e ficar ao lado de minha esposa e filhos", disse.

Surfe masculino na madrugada

As oitavas de final do surfe masculino começam às 23h48 (de Brasília) deste domingo e se estendem até 4h40 de segunda. Ítalo Ferreira, outro brasileiro em disputa, entra na água logo depois de Medina para enfrentar o neozelandês Billy Stairmand, às 2h12.

Brasileiras também seguem na briga

Mais cedo, são as meninas quem buscam vaga nas quartas de final dos Jogos de Tóquio. Dentre as brasileiras, Silvana Lima, vice-campeã mundial em 2008 e 2009, surfa às 22h contra a portuguesa Teresa Bonvalot. Na sequência, às 22h36, Tatiana Weston-Webb enfrenta Amuro Tsuzuki, do Japão.