PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Luisa e Laura ganham vaga no tênis e Brasil jogará duplas femininas

Luisa Stefani no WTA de Luxemburgo 2019 - Divulgação
Luisa Stefani no WTA de Luxemburgo 2019 Imagem: Divulgação
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

16/07/2021 11h11

A onda de desistências do tênis olímpico abriu mais duas vagas para o Brasil em Tóquio. A Federação Internacional de Tênis (ITF) anunciou hoje (16) a alocação de vagas para Luisa Stefani (23ª do ranking mundial de duplas) e Laura Pigossi (202ª), para que elas disputem a chave de duplas na Olimpíada.

A novidade é boa para o Brasil principalmente pensando a competição de duplas mistas, que agora o país também poderá jogar. É que não existe classificação para esse torneio, mas a inscrição de atletas que já vão à Olimpíada em simples ou em duplas masculinas e femininas.

O Brasil tem potencial de conquistar um bom resultado em duplas mistas por contar com Stefani, 23ª do mundo, Bruno Soares (13º) e Marcelo Melo (18º), mas até hoje não poderia disputar a competição porque Stefani não tinha vaga na Olimpíada.

Nas duplas, são dadas vagas automáticas para os 10 primeiros do ranking mundial e aqueles indicados como seus parceiros. Depois, novas vagas são distribuídas a partir da soma do ranking (o que for melhor entre simples e individual) de dois atletas do mesmo país. Soares e Melo, por exemplo, somam 31 e ficaram com a segunda dessas vagas.

"Estou sem palavras para descrevi minha alegria, minha emoção. Tem muita coisa que aconteceu nesse último ano com a ideia, com a vontade, garra, de chegar nessas Olimpíadas. Não estava fácil. Eu não tinha entrado, então para receber essa notícia do nada, de surpresa, é um feeling indescritível. Compartilhar esse momento com meus pais, minha família, meu treinador, todo mundo que entregou comigo para realizar esse sonho", afirmou Luisa.

Com mais essas duas vagas, o time brasileiro no tênis em Tóquio chega a sete nomes, mesmo número da Rio-2016. Thiago Monteiro joga simples e também duplas com Marcelo Demoliner, João Menezes, ouro no Pan, joga simples, Bruno Soares e Marcelo Melo formam uma dupla masculina e Luisa e Laura disputam as duplas femininas. E Luisa ainda deve entrar em duplas mistas com Soares ou Melo.

O Brasil poderia ter tido um oitavo classificado, mas Thiago Wild abriu mão de jogar a Olimpíada. Ele alegou desgaste físico, mas vai continuar disputando o circuito da ATP normalmente.