PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Roger tem Wellington como primeira opção, mas segue com 'dilema' na vaga de Martinelli no Fluminense

15/06/2021 06h00


Depois de atuar em 10 partidas seguidas com os titulares, o técnico Roger Machado decidiu poupar alguns dos atletas que vem tendo pouco descanso desde o início da temporada. Luccas Claro, Martinelli, Gabriel Teixeira e Fred ficaram fora do empate por 2 a 2 com o Red Bull Bragantino no último domingo, enquanto Nene entrou apenas na segunda etapa. Mesmo com a superação da equipe para buscar o ponto fora de casa, o que permanece é um dilema no meio de campo.

Martinelli está suspenso no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores, que será contra o Cerro Porteño, no Paraguai, em 13 de julho. Até lá, o treinador terá menos de um mês e oito partidas pela frente para tentar encontrar o substituto ideal. No primeiro teste, ficou claro que o elenco atual não tem jogadores com as mesmas características de seus volantes titulares. Primeira opção no setor, Wellington foi o escolhido, mas teve dificuldade com a marcação sob pressão do adversário, sem dar segurança.

Veja a tabela do Campeonato Brasileiro

As alternativas no elenco são, além de Martinelli, Yago Felipe e Wellington, o jovem André. Ele foi bem nas primeiras partidas da temporada com o time alternativo, mas perdeu espaço com Roger Machado e chegou a ficar perto de ser emprestado. Apesar de permanecer no elenco, o volante fez quatro jogos até aqui e não é utilizado desde 20 de março. Hudson pode não jogar mais com a camisa tricolor, já que tem contrato até dezembro e se recupera de cirurgia, e Yuri foi emprestado ao Cuiabá.

Nas partidas ainda sem os titulares, os volantes utilizados foram André, Caio Vinícius e Yuri apenas. Dentre os atletas que treinam com a equipe Sub-23, o Flu tem Emanoel, Edinho, Nascimento e Metinho. O Tricolor chegou a ficar próximo de contratar Ronaldo, ex-Bahia que pertence ao Flamengo até o fim do mês, mas as tratativas não avançaram.

De acordo com números do "SofaScore", Martinelli e Yago tem uma grande chance criada cada, média de 0,5 e 0,7 finalização por partida na Libertadores e 0,5 e 1,0 no Brasileirão, respectivamente. A precisão de passes do mais novo é de 87% no torneio nacional e 85% no internacional, enquanto do mais velho é de 82% e 77%, nesta ordem. De Wellington, por exemplo, é 70% e 71%. Martinelli tem 1,2 desarmes por partida na Liberta e 0,5 no Brasileiro, enquanto Yago tem 1,8 e 3,7. Eles aparecem na liderança de diversos destes quesitos.

Se Martinelli, com três passes para gol, será desfalque certo na Libertadores, Yago, com três gols e duas assistências, já está pendurado no Brasileirão. Independentemente da importância dos dois para o elenco e do crescimento nas últimas partidas, fato é que há uma lacuna. Apesar de garantir o foco em todas as competições, o treinador precisará encontrar e testar alternativas. O Fluminense volta a entrar em campo na próxima quinta-feira, às 19h, contra o Santos.

Futebol