PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Chile alega que equatoriano jogou com identidade falsa e vai à Fifa

Byron Castillo, durante jogo da seleção equatoriana - Reprodução/Instagram
Byron Castillo, durante jogo da seleção equatoriana Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo (SP)

05/05/2022 10h39

A Federação de Futebol do Chile enviou uma denúncia à Comissão Disciplinar da Fifa contra o jogador Byron David Castillo Segura e a Federação Equatoriana de Futebol, alegando que o atleta usou uma certidão de nascimento falsa, declaração de idade falsa e falsa nacionalidade.

Byron Castillo jogou em 8 partidas das Eliminatórias Sul-Americanas pelo Equador e deu uma assistência.

O Chile alega que existem inúmeras provas de que o jogador nasceu na Colômbia, e não no Equador.

Além disso, ressalta que a Federação Equatoriana de Futebol sabia da irregularidade nas documentações do jogador, mas não quis esclarecer os fatos.

O Equador terminou as Eliminatórias para a Copa na 4ª posição, com 26 pontos, e estará no Qatar. O Chile, por sua vez, foi o 7º, com 19.

Os chilenos se sentem prejudicados por Castillo ter jogado as duas partidas contra eles. Na 6ª rodada as equipes empataram em 0 a 0, e Byron entrou no segundo tempo, e na 14ª, com o lateral entre os titulares, os equatorianos venceram por 2 a 0.

Leia o comunicado na íntegra:

Informamos que, em 4 de maio, por meio do estudo Carlezzo Abogados, enviamos uma denúncia à Comissão Disciplinar da FIFA contra o jogador Byron David Castillo Segura e a Federação Equatoriana de Futebol, por uso de certidão de nascimento falsa, declaração de idade falsa e falsa nacionalidade por parte do referido jogador .

Entendemos, com base em todas as informações e documentos coletados, que os fatos são muito graves e devem ser minuciosamente investigados pela FIFA .

Existem inúmeras provas de que o jogador nasceu na Colômbia, na cidade de Tumaco, em 25 de julho de 1995, e não em 10 de novembro de 1998, na cidade equatoriana de General Villamil Playas.

As investigações realizadas no Equador, incluindo um relatório legal da Direção Nacional de Registro Civil, a mais alta autoridade sobre o assunto neste país, declararam a existência de inconsistências na certidão de nascimento apresentada pelo jogador e informaram que esse documento não existiam em seus arquivos internos , apontando outras deficiências no documento, para concluir que possivelmente era fraudulento.

Além disso, uma comissão investigativa da Federação Equatoriana de Futebol, destinada a esclarecer as irregularidades existentes nos registros dos jogadores perante esta federação, concluiu que o jogador era colombiano.

Tudo isso, obviamente, era de pleno conhecimento da FEF. O mundo do futebol não pode fechar os olhos para tantas provas.A prática de irregularidades graves e conscientes no cadastro de jogadores não pode ser aceita, principalmente quando se trata de uma competição mundial . Deve haver fair play dentro e fora do campo.

Futebol