PUBLICIDADE
Topo

Botafogo

Aos 91, Elza Soares morre no mesmo dia que Garrincha após quase 40 anos

Elza Soares e o marido, o jogador Mané Garrincha, nos anos 60 - Reprodução
Elza Soares e o marido, o jogador Mané Garrincha, nos anos 60 Imagem: Reprodução

Bernardo Gentile

Do UOL, no Rio de Janeiro

20/01/2022 18h04Atualizada em 20/01/2022 18h55

A morte de da cantora Elza Soares, nesta quinta-feira (20), no Rio de Janeiro deixou muita gente arrepiada. É que foi justamente em 20 de janeiro de 1983, há 39 anos, que Garrincha também faleceu.

Os dois foram casados e tiveram um relacionamento de 17 anos. Ela sempre tentou ajudar o companheiro que tinha claros problemas com bebida. Elza se declarou inúmeras vezes para Garrincha até mesmo após a morte do jogador do Botafogo e seleção brasileira.

Em entrevista com o jornalista Pedro Bial, na Globo, Elza, em 2018, novamente falou com bastante carinho sobre Garrincha.

"Eu sonho muito com o Mané. O maior amor da minha vida foi ele", disse na oportunidade. "Ele me prometeu e disse: 'Olha criola, essa Copa [1962] eu vou dar pra você, vou fazer gol pra você (...) Eu nunca gostei de ser mulher de fulano. Eu sou eu. Não era preciso ser mulher do Garrincha pra ser a Elza Soares. O Garrincha era marido da Elza Soares", completou demonstrando toda sua força.

A relação entre a cantora e o jogador sempre foi cercada de polêmicas. Eles se conheceram durante a Copa do Mundo no Chile, em 1962, quando Elza se apresentou representando o Brasil. Na oportunidade, Garrincha ainda era casado. O fato de o romance ter surgido com uma traição foi motivo de muito falatório na época. Além disso, ela foi vítima de agressões por parte do jogador.

Quando começaram o relacionamento, Elza já tinha 32 anos e cinco filhos. Como Garrincha era casado, o romance dos dois era clandestino, o que fez a cantora ser perseguida durante muito tempo — ela foi acusada de ter sido o pivô do fim do casamento do jogador com Nair Marques, primeira esposa do jogador.

Depois de cerca de três anos juntos, Garrincha se divorciou e casou-se com Elza. Os dois tiveram um filho e ficaram juntos por 17 anos. O filho do casal, Júnior - ou Garrinchinha - morreu em um acidente de carro, em 1986.

Garrincha se aposentou dos gramados em 1972, mas nunca lidou bem com a situação e se entregou ainda mas ao álcool. Foi então que o relacionamento com Elza ficou ainda mais complicado com capítulos tristes para a cantora. Elza chegou a aparecer em público com dois dentes quebrados, mas jamais denunciou o marido.

Uma das partes mais tristes foi a morte da mãe de Elza, Dona Josefa. Em 1969, Garrincha dirigia bêbado e causou um acidente, o que resultou na morte da genitora de sua amada. A cantora cansou da situação e lançou uma música para desabafar o que passava na vida pessoal.

Ela interpretou a canção Maria da Vila Matilde, de Douglas Germano, que aborda a violência contra a mulher. Em um dos trechos, ela canta: "cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim".

Botafogo