PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: Brusque merece punição bem severa, com racismo não dá pra brincar

Do UOL, em São Paulo

02/09/2021 13h31

No último final de semana o jogador Celsinho, do Londrina, relatou ter sofrido injúria racial durante a partida contra o Brusque, pela Série B do Campeonato Brasileiro, no estádio da equipe catarinense, e a própria equipe paranaense publicou um vídeo com o grito de 'macaco' que teria sido proferido contra o seu atleta. Ontem (1), na partida contra o Coritiba, o meio-campista fez um gol de cabeça e ajoelhou na comemoração em protesto contra o racismo.

Durante sua participação no programa UOL News Esporte, Renato Maurício Prado comentou o episódio, a nota publicada pelo Brusque no fim de semana e afirmou que deveria haver uma punição dura ao clube catarinense, para demonstrar a intolerância ao racismo.

"O pior foi exatamente isso. Houve a ofensa, ninguém tem mais dúvida, principalmente depois do vídeo que o Londrina soltou, e eles tentaram ainda proteger o seu dirigente disseram que o Celsinho era um cara criador de caso. Lamentável! Eu acho que o Busque merece sim uma punição bem severa. Esse negócio de racismo não dá mais para brincar, não dá mais para levar no 'falou sem querer', não tem essa", afirma Renato.

"Tem que ter punição e punição seríssima, e o Busque foi muito, mas muito mal. Agora, tem que identificar quem é o cidadão. Logo que saiu matéria, até puseram lá o nome de um sócio, um senhor, mas depois eu não vi continuidade na notícia, não vi garantirem que realmente era ele, porque esse é um cara que tinha inclusive que ser entrevistado, para ser exposto à sociedade, o seu racismo, a sua atitude absolutamente lamentável sob todos os aspectos", completa.

O jornalista também critica o comportamento de muitos dirigentes de futebol que são os únicos que acompanham os jogos durante o período de pandemia e diz que eles estão se mostrando como o pior tipo de torcedor.

"Foi uma coisa realmente horrorosa, principalmente por causa da nota, quando eles tentam se justificar. De repente, sei lá, um dirigente, aliás, a gente está vendo que esses dirigentes e seus assessores, que são os únicos que assistem aos jogos, eles são torcedores da pior espécie, nem a geral no Maracanã era tão grosseira, tão hostil, tão absurda como esses dirigentes são", conclui.

Futebol