PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Palmeiras rebate Cruzeiro e diz que não aliciou o garoto Estevão Willian

Estêvão Willian é joia das divisões de base do Cruzeiro - Reprodução
Estêvão Willian é joia das divisões de base do Cruzeiro Imagem: Reprodução

Thiago Braga

Colaboração para UOL, de São Paulo

09/05/2021 04h00

A saída do jovem Estevão Willian, 14, das divisões de base Cruzeiro, revelada pelo UOL na última semana, tem dado o que falar. O garoto vai se juntar ao Palmeiras, num movimento que estremeceu a relação entre o clube mineiro e o paulista.

Depois de a Raposa soltar uma nota na tarde deste sábado (8), criticando a postura do Alviverde, o coordenador das categorias de base do Verdão, João Paulo Sampaio, negou as acusações de aliciamento do jovem jogador e afirmou que apenas fez o melhor para o clube em que trabalha.

"Eu estava na Argentina, na última quarta-feira, acompanhado a delegação do profissional [que jogava com o Defensa y Justicia, pela Libertadores], e recebi uma ligação oferecendo o garoto para mim. Me disseram que ele estava livre e que o pai dele preferia o Palmeiras porque o Palmeiras tem uma ótima estrutura, tem o maior número de jogadores nas seleções de base, não cortou salários dos funcionários durante a pandemia, por tudo isso, ele escolhia o Palmeiras", disse Sampaio, em contato com o UOL.

"Ele [Estevão Willian), estava livre, qualquer clube poderia pegar. Sou profissional, tenho que pegar os melhores jogadores, e foi o que eu fiz", completou o dirigente. O jogador assinou por três anos com o Verdão, o máximo permitido para menores, segundo legislação da Fifa.

Na noite da última quinta-feira, começou a circular em grupos de WhatsApp uma mensagem de alguém do Cruzeiro, endereçada a Sampaio, criticando a postura do coordenador e do Palmeiras.

"Essa mensagem foi enviada diretamente para mim pelo presidente do Cruzeiro, Sérgio Rodrigues. Mas depois foi sendo repassada aos grupos por um 'juvenil' que trabalha lá. Eu mesmo respondi para o presidente, afirmei que estava apenas fazendo o meu trabalho. Mas ele não me respondeu", revelou João Paulo Sampaio.

O Cruzeiro acredita que Estevão Willian tenha sido aliciado pelo rival paulista. Pela legislação, um jogador só pode assinar seu primeiro contrato de formação aos 14 anos. Mas desde os 12 poderia ser inscrito no BID (Boletim Informativo Diário), da CBF. Sampaio diz que o Cruzeiro nunca efetuou esse registro.

Sobre o aliciamento, desde 2014, um movimento dos coordenadores das categorias de base dos clubes brasileiros tenta resolver questões de troca de clubes pelos jogadores, de uma maneira informal. João Paulo Sampaio, porém, cita que o Cruzeiro não está em condições de pleitear essa ajuda.

"Nos protegemos os clubes nos casos de trocas de jogadores antes dos 14 anos. Mas para isso, o clube tem de estar em dia com o Certificado de Clube Formador, emitido pela CBF. O do Cruzeiro está vencido desde agosto", argumentou Sampaio. De fato, no site da CBF, o Cruzeiro não aparece entre os clubes com o Certificado de Clube Formador atualizado.

Visto como um dos grandes nomes da futura geração de jogadores, Estevão Willian, cujo apelido é "Messinho", tem impressionado quem o vê em ação desde muito tempo. Aos 10 anos ele assinou com a Nike. Mas, apesar do frisson causado pelo talento do jogador, João Paulo Sampaio nega que o Palmeiras tenha pagado R$ 2 milhões mais um salário de R$ 100 mil mensais ao garoto.

"Ele tem muita habilidade, é o camisa 10 canhoto, com drible, visão de jogo. Aquele típico talento brasileiro que não é fácil de achar hoje em dia. Uma mistura de Rivaldo, com a fome de gol, e a habilidade do Djalminha, mas com mais velocidade. Só que os números são irreais. Os meninos que subiram recente para o profissional [Patrick de Paula, Gabriel Verón, Gabriel Menino], não ganhavam isso. É loucura. Lamento que tudo tenha chegado a este ponto. Temos uma boa parceria com o Cruzeiro, poderíamos ter resolvido isso sem toda essa exposição", finalizou o coordenador da base do Palmeiras.

Futebol