PUBLICIDADE
Topo

Futebol

"Só espero que o treinador não se lesione", brinca Abel sobre maratona

Alexandre Loureiro/Conmebol
Imagem: Alexandre Loureiro/Conmebol

Do UOL, em São Paulo

19/04/2021 04h00

Classificação e Jogos

Depois do empate por 0 a 0 com o Botafogo-SP, o técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, comentou sobre o motivo que levou poucos jogadores para o banco de reservas, mesmo com um vasto elenco à sua disposição. "Preciso ser muito inteligente na escolha para os jogos. Temos muitos jogadores lesionados, como o (Gabriel) Veron, Wesley está com problemas físicos, o Gabriel Menino também. Não trouxe com medo de lesionar. Eu só espero que o treinador não se lesione", brincou o treinador em entrevista à TV Palmeiras.

A frase de Abel tem relação com a quantidade excessiva de jogos do Verdão em 2021. Além das partidas pela Libertadores e Copa do Brasil, a equipe jogou a reta final do Campeonato Brasileiro, saiu do continente para participar do Mundial de Clubes e recentemente entrou em campo pela Supercopa do Brasil e pela Recopa Sul-Americana, além do Campeonato Paulista.

Nos últimos 12 dias, foram cinco partidas, incluindo três finais (Flamengo e as duas contra o Defensa y Justicia) e um clássico (contra o São Paulo). A sequência de jogos é tão intensa que, para o jogo em Ribeirão Preto, Abel levou apenas quatro jogadores de linha. O treinador admitiu que fez isso por medo de lesões. E mesmo isso não funcionou: "Só trouxe um jogador que jogou há dois dias e ele foi o único que se machucou", disse o treinador. O atleta em questão é o zagueiro Kuscevic.

Nos próximos 25 dias, serão mais nove partidas, incluindo jogos válidos pela Libertadores fora do país. O próximo compromisso acontece na quarta-feira (21), diante do Universitario, no Peru. Será a estreia do clube na atual edição do torneio continental. Questionado sobre o que acha dessa maratona, aprovada pelos clubes após a pressão pela volta do futebol no estado de São Paulo, o técnico reclamou que só ele tem falado sobre o assunto.

"Eu sou sempre quem dá a cara sobre o assunto. Mas não sou eu que organizo. Eu sou o treinador. Estou aqui responsável por dar o treino. Não vou mais me pronunciar sobre questões políticas. E sobre as questões políticas há de haver alguém no clube a dar a cara porque eu não vou falar sobre essas questões".

Futebol