PUBLICIDADE
Topo

Futebol

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Mauro: Chelsea entrar na semifinal como patinho feio seria bom para ele

Do UOL, em São Paulo

08/04/2021 04h00

Classificação e Jogos

Com uma vitória por 2 a 0 diante do Porto como visitante, embora os dois jogos do confronto sejam disputados em Sevilha, na Espanha, o Chelsea é o times com a situação mais confortável na busca de uma vaga nas semifinais da Liga dos Campeões e voltou a mostrar diante da equipe portuguesa uma solidez defensiva que só foi quebrada nos últimos jogos nos 5 a 2 para o West Bromwich, no Campeonato Inglês, no sábado (3).

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte com os jornalistas Julio Gomes, Mauro Cezar Pereira e Rafael Oliveira, a atuação defensiva do Chelsea é analisada e Mauro afirma que no caso de confirmada a classificação inglesa, pode ser bom negócio entrar como a equipe menos badalada em relação a concorrentes como Paris Saint-Germain, Manchester City ou Real Madrid, caso eles avancem.

"O Chelsea é um clube que foi campeão europeu jogando, em 2012, jogando calçado na sua defesa e é um clube em que a torcida tolera esse tipo de jogo e acha normal. Existem alguns clubes em que se você monta um time que depende muito da defesa e que vai tomar de repente uma pressão do Porto e o Porto vá finalizar mais, os caras vão ficar incomodados, o Chelsea não tem esse problema, porque para ele é normal jogar assim?, diz Mauro.

"Isso é importante nesse momento, numa competição como essa, em que apesar das muitas contratações, digamos que se classifique o Chelsea e vai o Bayern ou o PSG, digamos que o City se classifique, e aí tanto faz, o Liverpool ou o Real Madrid, o Chelsea entraria ali como meio que um patinho feio, ele não apareceria como o candidato. Isso é bom, o Chelsea gosta disso e acho que depender da defesa, não depender da defesa, mas ter uma defesa como ponto de partida para a sua competitividade é algo que para o Chelsea não é problema nenhum, pelo contrário, é até meio que um DNA do time?, completa.

Rafael Oliveira tem dúvida de como funcionaria o sistema defensivo do Chelsea sob o comando do Thomas Tuchel em um possível confronto com uma equipe mais forte ofensivamente em relação a Atlético de Madri e Porto.

"A curiosidade aí vai ser ver se o Tuchel vai ter essa capacidade e esse perfil, porque o Chelsea já teve vários treinadores que adotaram estratégias mais defensivas e isso funcionou bem ao longo da história, mas o Tuchel é um treinador que molda o seu jogo a partir de como atacar?, afirma Oliveira.

"Contra o Porto, não foi um Chelsea que conseguiu atacar, mas não foi por falta de tentativa, o Porto foi superior justamente por não deixar o Chelsea confortável para atacar, mas o Chelsea tentava, só que não conseguia avançar no campo, então eu tenho essa curiosidade de ver se o Tuchel vai ser esse treinador que vai se adaptar para uma proposta mais ofensiva quando tiver um adversário diferente pela frente, porque nas oitavas pegou o Atlético, que a gente sabe que tem o Simeone, treinador que opta por se defender?, conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol