PUBLICIDADE
Topo

Futebol

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Lavieri: "Teste do Palmeiras reforçou fragilidade defensiva pela direita"

Do UOL, em São Paulo

23/02/2021 12h00

Classificação e Jogos

O Palmeiras usou a partida desta segunda-feira (22) contra o Atlético-GO, pela 37ª e penúltima rodada do Brasileirão, como um laboratório para a final da Copa do Brasil contra o Grêmio. O empate por 1 a 1, no Allianz Parque, serviu como um bom teste para o técnico Abel Ferreira?

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte —com os jornalistas Luiza Oliveira, Menon, Ricardo Rocha e Danilo Lavieri— a estratégia montada por Abel teve alguns bons resultados, na opinião dos comentaristas.

"Quando você olha a escalação e vê o time completo, procura uma explicação para o Abel escalar força máxima. E uma das coisas que ele alega é encontrar alternativas para a final [contra o Grêmio]. Serviu de teste para reforçar o que todo torcedor e comissão técnica já sabem, da fragilidade defensiva pelo lado direito. Com Marcos Rocha de lateral, Mayke como ponta, e Luan pela direita como zagueiro, o Palmeiras tomou gol por ali. Esse setor causou problemas em outros jogos. É um problema histórico desse elenco", analisou Lavieri.

Ricardo Rocha concorda. "É bom pra testar esses jogadores, mas acho que o Abel ainda tem dúvidas. Como por exemplo, colocar dois laterais direitos e tentar fortalecer o setor, mas ainda não deu certo", comentou.

Menon reforçou a preocupação com a defesa palmeirense, mais especificamente com Luan. "Não vejo firmeza nele como um bom zagueiro, no mesmo nível de excelência de outros jogadores do Palmeiras. Ele estava mal colocado [no jogo contra o Atlético-GO]. Não é técnico como Gustavo Gómez, que é jogador de combate", comparou.

Lavieri comentou sobre outras opções usadas por Abel. 'Serviu também para mostrar que Raphael Veiga vem de uma produção baixa. Precisa encontrar uma alternativa. O Felipe Melo não se provou melhor do que Danilo. Bola por bola, manteria o Danilo pra final. Zé Rafael e Wesley voltaram e jogaram 20, 25 minutos para poder pegar ritmo", completou.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol