PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Uruguaio fã de Ronaldo ganha espaço como "plano B" do Inter

Abel Hernández comemora gol pelo Inter contra o Grêmio - Ricardo Duarte/Inter
Abel Hernández comemora gol pelo Inter contra o Grêmio Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

27/01/2021 04h00

Classificação e Jogos

Abel Braga tem um 'plano B'. Quando as coisas não estão dando certo no setor ofensivo do Internacional, é Abel Hernández o chamado. O uruguaio fã de Ronaldo ganha espaço nos bastidores do clube e se mostra uma peça útil no grupo de jogadores.

Abel chegou ao Inter em agosto do ano passado, por pedido de Eduardo Coudet. O treinador argentino precisava de um centroavante para repor a ausência de Paolo Guerrero no grupo. O peruano teve uma grave lesão no joelho e ainda está em recuperação.

De cara mostrou serviço, fez gol em duelo pela Copa Libertadores e virou titular do time. Mas, depois de uma lesão e da saída do treinador argentino, oscilou e viu crescer jogadores de sua função. Thiago Galhardo e depois Yuri Alberto ocuparam o posto que seria seu no grupo.

Mas a reserva não fez mal para "Abelito". Ele se mostrou parte do processo, não reclamou ou desistiu, sempre esteve integrado com companheiros e na busca pelos resultados. Que estão vindo.

Abel é um jogador experiente, tem 30 anos, já jogou na Europa, disputou Copa do Mundo pela seleção de seu país. E, mesmo com toda rodagem que possui, soube se posicionar aguardando chance.

A idolatria a Ronaldo Fenômeno não é novidade. Tanto que o jogador tem o rosto do ex-atacante brasileiro tatuado em uma das panturrilhas.

Hoje ele é o "plano B" de Abel Braga. Nos jogos, costuma entrar quando o time precisa erguer bolas para área atrás de um cabeceio, ou utilizar o pivô para aproximação de companheiros — sua especialidade. No clássico Gre-Nal do último domingo (24), foi dele o gol de empate, que depois se tornou virada, em lance em que também esteve envolvido. O pênalti com a bola acertando o braço de Kannemann aconteceu quando o zagueiro marcava justamente Abel.

"Eu pensei num plano B, por isso chamei o Abel. Queríamos marcar alto, mas o Grêmio nos empurrou para trás. Ficamos com o meio-campo muito em cima da defesa. O plano B era uma consequência natural, de se atirar, ficamos com dois volantes, dois meias e dois atacantes por dentro. Todos tinham liberdade para atacar", contou o treinador Abel Braga, e deu certo.

Ao todo, Abel Hernández tem cinco gols em 25 partidas pelo Inter. Seu contrato vai até 30 de junho deste ano.

Internacional