PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

São Paulo tenta administrar turbulência a 10 rodadas do fim do Brasileirão

Fernando Diniz esbraveja durante a derrota do São Paulo para o Red Bull Bragantino - ANTÔNIO CÍCERO/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Fernando Diniz esbraveja durante a derrota do São Paulo para o Red Bull Bragantino Imagem: ANTÔNIO CÍCERO/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo

08/01/2021 04h00

Classificação e Jogos

O São Paulo vive momento de turbulência a dez rodadas do fim do Campeonato Brasileiro. Líder do torneio, com seis pontos de vantagem para o segundo colocado, Internacional, o clube corre risco de perder o título em meio à oscilação e aos problemas no CT da Barra Funda.

Fernando Diniz enfrenta problemas para recuperar o estado anímico do plantel, que sofreu queda de rendimento no último mês e acabou eliminado para o Grêmio na semifinal da Copa do Brasil. A questão psicológica, que parecia controlada pelo treinador, não é a única causa dos problemas no cotidiano. Há também a ausência de nomes importantes em um momento decisivo da temporada — Arboleda, Juanfran, Luan e Luciano foram desfalques no revés para o Red Bull Bragantino.

Questão anímica e oscilação

O São Paulo vive o seu momento de maior dificuldade desde que assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro. Nos últimos quatro jogos, incluindo a participação na Copa do Brasil, a equipe sofreu duas derrotas, obteve um empate e conseguiu apenas um triunfo. O aproveitamento preocupa a comissão técnica, sobretudo pela situação psicológica.

Inicialmente, a queda na semifinal da Copa do Brasil não preocupava Fernando Diniz e seus auxiliares. Entretanto, depois da derrota para o Red Bull Bragantino, na última quarta-feira (6), a questão anímica se torna uma das prioridades da comissão técnica. O jejum de títulos, que já dura oito anos, e a necessidade de vencer uma competição relevante pressionam o departamento de futebol.

O treinador costuma se reunir com os atletas antes dos treinos para conversar e também adota uma postura de encontros e telefonemas individuais para trabalhar a questão.

Ele se aproxima do jogo contra o Santos, domingo (10), às 16h (de Brasília), com a necessidade de trabalhar o psicológico de seus atletas. O comandante terá a incumbência de melhorar a situação no vestiário até o clássico que será disputado no Morumbi.

Ausências importantes no elenco

O São Paulo também se preocupa com ausências recentes no plantel. Na última partida, Diniz não contou com quatro jogadores relevantes e considerados titulares. Arboleda, que se atrasou na reapresentação do elenco, ficou fora do jogo passado por causa de um desconforto muscular. Juanfran, de acordo com a diretoria, precisou resolver questões pessoais. O espanhol, contudo, deve participar da atividade de hoje (8) no CT da Barra Funda e ficará à disposição da comissão técnica para o clássico do fim de semana.

Além dos dois desfalques que se envolveram em questões extracampo recentemente, Luan cumpriu suspensão automática e Luciano se recupera de uma inflamação na perna esquerda. Um dos pilares do elenco comandado por Diniz, o atacante não deve ter condições de atuar contra o Santos. Porém, será reavaliado pelo Reffis nos dois treinos que antecedem o compromisso pela 29ª rodada do Brasileirão.

Mesmo que possa contar com três reforços no fim de semana, o treinador são-paulino já sabe que terá duas ausências por suspensão no domingo. Bruno Alves recebeu o terceiro amarelo contra o Red Bull Bragantino e está fora de combate. Tchê Tchê foi expulso e só estará à disposição contra o Athletico, em 17 de janeiro, na Arena da Baixada.

São Paulo