PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Vitória do Fla vira ato de apoio a Diego Alves em polêmica com diretoria

Leo Burlá e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, no Rio de Janeiro

13/12/2020 18h05

Em meio ao embate que resulta no impasse da renovação de contrato do goleiro Diego Alves, a goleada do Flamengo por 4 a 1 contra o Santos pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro virou palco para manifestações de apoio ao jogador.

Novamente capitão com Rogério Ceni, o camisa 1 viu seu prestígio e importância receberem o carimbo do treinador, um dos maiores entusiastas pela sua permanência no Rubro-negro.

Autor de dois gols de pênalti, Gabigol festejou seu primeiro gol com Diego. Ao marcar, ele cruzou todo o campo e foi festejar com o goleiro, em clara demonstração de apreço ao colega.

"Todos sabem a importância do Diego dentro do grupo, é um líder dentro e fora de campo. A permanência é entre ele e a diretoria, mas a gente quer que ele fique. É sentar e conversar, ver o que é melhor para ambos. Queremos a permanência dele, é um ídolo e muito experiente dentro de campo", disse Bruno Henrique à "Globo".

"Sobre o Gabriel atravessar o gol, essa é uma relação de tempo e amizade, ganharam títulos importantes. A decisão (da faixa) foi minha. Acho que tenho maturidade suficiente porque fui quase mil vezes capitão e tenho liberdade para escolher", acrescentou Ceni.

Além dos gestos vindos de dentro do elenco, Diego também foi acarinhado pela torcida. Em votação popular na "Globo", Diego foi eleito o "craque do jogo", embora sequer tenha sido tão acionado no jogo no Maracanã.

A iminente saída gera apreensão entre as principais lideranças do elenco do Flamengo. Nomes como Everton Ribeiro, Filipe Luís, Diego Ribas e Gabigol não aprovam o provável adeus do goleiro e o clima é de apreensão no vestiário.

"Ele é um cara importantíssimo para nós e para o clube. Fez história e continua a fazer. Passou por todas as situações aqui. Desejamos esse final feliz, mas não depende de nós. É um acordo entre as partes. O que posso destacar é o compromisso dele. Acho que faltam quatro jogos para terminar o contrato e ele está se dedicando como se fosse o primeiro dia dele", disse Filipe Luís.

A poucos dias do fim do contrato, nada indica que haverá um acerto, mas resta um fio de esperança. Permanecer com o atleta é uma briga pessoal de Marcos Braz, vice-presidente de futebol, mas a questão ultrapassou os muros do Ninho. A ala que se opõe ao acerto é justamente a de departamentos do clube que funcionam na Gávea. Com um desacerto econômico a ser superado, o goleiro tem em mãos uma proposta que não lhe agrada. Piora muito o fato de um acordo previamente selado ter sido vetado pelo departamento financeiro. O tempo corre e um casamento marcado por 157 jogos e seis títulos está prestes a ser desfeito.

Flamengo