PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG

Bastidores: Presidente do Atlético-MG parte para o ataque contra Kalil

Sérgio Sette Câmara e Alexandre Kalil estão em lados opostos na política alvinegra - Bruno Cantini
Sérgio Sette Câmara e Alexandre Kalil estão em lados opostos na política alvinegra Imagem: Bruno Cantini

Guilherme Piu

Do UOL, em Belo Horizonte

27/10/2020 12h37

Classificação e Jogos

A "guerra fria" entre personagens importantes na história do Atlético-MG ganhou mais um capítulo hoje (27). O presidente Sérgio Sette Câmara usou o seu Twitter para criticar movimentações da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), atualmente comandada por Alexandre Kalil, ex-mandatário do Galo, atual prefeito da capital mineira e desafeto declarado de Sette Câmara.

E o próprio Sette Câmara acusa a PBH de cometer "exageros" contra o Atlético-MG tanto no que diz respeito a construção da Arena MRV, estádio atleticano com previsão de inauguração em 2022, e, também, em assunto relacionado à sede administrativa do clube, localizada no bairro de Lourdes, em BH.

O presidente alvinegro publicou em sua conta particular no Twitter que a PBH impôs cobrança revisional do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) do imóvel atleticano, que fica em uma das regiões mais nobres e com um dos metros quadrados mais caros da cidade.

"PASMEM! Se não bastassem os exageros da Prefeitura de BH ao impor contrapartidas extras de mais de R$ 100 milhões para o nosso Estádio-Arena MRV, agora o ATLÉTICO recebe cobrança de revisão do IPTU da Sede, exigindo do Clube diferenças dos últimos 5 anos. CHEGA!!!! (sic)", disparou Sette Câmara.

Custos extras

Sérgio Sette Câmara chegou a dizer recentemente que o estádio do Galo teria custo aumentado em R$ 350 milhões por causa de contrapartidas do Governo. Entretanto, desse montante milionário citado por Sette Câmara, menos da metade se refere as tais contrapartidas (aí sim os R$ 100 milhões). E que os demais custos foram de encarecimento da obra mesmo.

Isso, de acordo com o empresário Rubens Menin, em entrevista ao Superesportes, no início de outubro deste ano.

Menin disse ainda que aproximadamente R$ 200 milhões foram computados como prejuízo por atrasos no cronograma da obra da Arena MRV.

O que diz a PBH?

O UOL Esporte procurou respostas com fontes ligadas à Prefeitura de Belo Horizonte sobre mais esse episódio de conflito entre Sette Câmara e Alexandre Kalil.

Sobre as "contrapartidas extras de mais de R$ 100 milhões" criticadas pelo atual mandatário alvinegro, a fonte disse que o assunto é antigo, e que é "normal uma obra da magnitude de um estádio gerar contrapartidas, que não são apenas municipais, mas estaduais e federais"

A fonte disse ainda "que em toda cidade os imóveis, sejam eles residenciais, comerciais ou sedes do "Atlético-MG, Cruzeiro, Minas Tênis Clube e qualquer outra agremiação esportiva passam por avaliações periódicas com novos cálculos de impostos".

Guerra Fria

A relação de Sérgio Sette Câmara com Alexandre Kalil há tempos não é boa. As partes romperam relações há algum tempo, tanto que o atual presidente do clube se apoia nos investidores Rubens e Rafael Menin (donos da MRV), e Ricardo Guimarães (dono do Banco BMG)

Esse novo epicentro da discórdia entre Sérgio Sette Câmara e Alexandre Kalil acontece em meio à campanha política em Belo Horizonte. Eleito para o cargo de prefeito da capital em 2017, o ex-presidente alvinegro tenta sua reeleição para seguir ocupando a cadeira mais importante na prefeitura municipal.

Atlético-MG