PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Clubes vão contra Fla e prefeitura do Rio para a volta de torcida nos jogos

Maracanã  - Alexandre Vidal / CRF
Maracanã Imagem: Alexandre Vidal / CRF

*Do UOL, em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte

19/09/2020 19h41

Classificação e Jogos

Os clubes da Série A do Brasileirão se colocaram contra o Flamengo e a prefeitura do Rio de Janeiro, que anunciou a volta do público aos estádios de futebol no próximo dia 4, com a partida entre o Rubro-negro carioca e Athletico-PR - marcada para o Maracanã. Segundo apurou o UOL Esporte, os dirigentes dos principais equipes do país defendem a isonomia esportiva na competição e não acreditam ser o momento certo para tal medida.

A reportagem entrou em contato com dirigentes dos 20 clubes da primeira divisão e não teve resposta apenas do Athletico-PR, Fortaleza e Sport. O Flamengo foi o único que se colocou favorável à liberação do público já em outubro. O Corinthians, inclusive, afirmou que não entrará em campo caso qualquer time volte a ter público em seu estádio antes dos demais.

Para os outros dirigentes, é necessário primeiro se avaliar as questões de segurança e ter uma autorização das autoridades sanitárias. Depois, é preciso se criar um protocolo e uma regra para ser cumprida em todas as praças.

A ideia para que ninguém tenha vantagem competitiva é de que a liberação seja feita de maneira uniforme. Ou seja, não apenas para uma praça.

Alguns clubes, apesar de sentirem a necessidade de incrementar a sua receita com a verba oriunda das rendas das partidas, argumentaram que não é o momento para tal medida. Outros acham que a volta já poderia acontecer neste momento, mas para em todos os clubes e com segurança para o público.

É importante dizer também que alguns dirigentes ouvidos pela reportagem acreditam que não a decisão da prefeitura do Rio de Janeiro não será aceita pela CBF e que o retorno do público só deverá acontecer em outro momento do campeonato.

Governo adia decisão

Em edição extra do diário oficial nesta sexta-feira (18), o governador em exercício no Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), adiou momentaneamente a volta do público aos estádios de futebol no estado. O governo terá uma reunião com o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) e com a CBF para tratar do assunto na semana que vem. O governo do estado decretou a suspensão de eventos com público até o dia 6, incluindo jogos de futebol.

O aceno é também político, já que o prefeito vê com bons olhos o retorno das torcidas antes da eleição, onde tentará emplacar um segundo mandato no município. Entre seus interlocutores, Crivella acredita que a medida será popular, principalmente por envolver o Rubro-Negro, clube de maior torcida do país.

Além disso, o presidente Jair Bolsonaro é partidário da volta do público aos estádios, e Marcelo Crivella corteja seu apoio para o pleito marcado para 15 de novembro.

A nova rodada de conversas entre as autoridades incluirá também o Ministério da Saúde, a Secretaria Municipal de Saúde e da Vigilância Sanitária, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, bem como empresas que administram as malhas ferroviárias e as linhas de ônibus da cidade, responsáveis por toda a logística de cada partida.

A entidade máxima do futebol brasileiro sempre trabalhou com a previsão de retorno em novembro, o que segue considerando mais plausível em função do tempo para aprovação dos protocolos e alinhamento de objetivos com todos os interessados. Uma reunião urgente entre clubes deve ser marcada também para a próxima semana.

Clubes ouvidos pela reportagem

Favorável à volta imediata no Rio

Flamengo

Contrários à volta imediata no Rio

Atlético-MG
Atlético-GO
Bahia
Botafogo
Ceará
Corinthians
Coritiba
Fluminense
Grêmio
Internacional
Palmeiras
Red Bull Bragantino
Santos
São Paulo
Vasco

Não se posicionaram ou não responderam

Athletico-PR
Fortaleza
Goiás
Sport

* Caio Blois, Diego Salgado, Jeremias Wernek, José Eduardo Martins, Léo Burlá e Thiago Fernandes

Futebol