PUBLICIDADE
Topo

Deputado usa antigo vício em drogas de Casagrande para defender Marcelinho

Gil Diniz e Marcelinho Carioca apareceram juntos em foto tirada nos últimos dias - Reprodução/Twitter
Gil Diniz e Marcelinho Carioca apareceram juntos em foto tirada nos últimos dias Imagem: Reprodução/Twitter

Do UOL, em São Paulo

31/07/2020 08h13

O deputado estadual bolsonarista Gil Diniz (PSL), também conhecido como Carteiro Reaça, fez uma alusão ao antigo vício em drogas de Casagrande para defender Marcelinho Carioca, que foi criticado nesta semana ao presentear o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com uma camisa do Corinthians.

Diniz publicou uma foto em seu Twitter ao lado de Marcelinho. Na imagem, os dois aparecem sorrindo e apontando para um quadro de Bolsonaro. "Olha aí, Casagrande. Cada um com sua carreira", escreveu Diniz na legenda. "Carreira" é como é chamada uma fileira de drogas antes de ser consumida.

Pouco depois, o próprio Marcelinho publicou na mesma rede social uma mensagem com elogios ao deputado, que chegou a ser expulso do próprio partido, mas uma decisão judicial impediu o ato e ele segue registrado pelo PSL na Alesp.

"Hoje tive uma prosa muito boa com o dep. estadual Gil Diniz, (PSL). Boa gente, um cara decente e apaixonado pela causa pública. A política está se renovando não só pelos nomes, mas, também pelas ideias e, principalmente, pelo caráter de cada um", escreveu o ex-jogador do Corinthians.

Corinthians e Bolsonaro

Nos últimos dias, Bolsonaro vestiu a camisa do clube paulista pela primeira vez ao receber Marcelinho em Brasília. O fato gerou revolta de torcedores corintianos, inclusive de Walter Casagrande Jr, também ídolo do clube que hoje é comentarista da Globo.

No desabafo, Casagrande relembrou sua passagem pelo Corinthians e citou a importância do movimento que ficou conhecido como "Democracia Corintiana".

O ex-jogador fala abertamente sobre o seu passado envolvendo drogas e cita a importância de tratamento para se recuperar do vício.

Já Marcelinho, aliás, vai se candidatar para o cargo de vereador de São Paulo pelo PSL, antigo partido do presidente.

Futebol