PUBLICIDADE
Topo

Amauri aponta falta de chances na seleção brasileira para escolher Itália

26jan2014 - Amauri comemora gol do Parma sobre o Udinese, neste domingo, no Campeonato Italiano - EFE/EPA/ELISABETTA BARACCHI
26jan2014 - Amauri comemora gol do Parma sobre o Udinese, neste domingo, no Campeonato Italiano Imagem: EFE/EPA/ELISABETTA BARACCHI

Colaboração para o UOL, em São Paulo

22/05/2020 21h59

O ex-atacante Amauri, com passagens de sucesso por Chievo Verona, Palermo, Juventus, Parma, entre outros, afirmou que escolheu jogar pela Itália por nunca ter tido chances na seleção brasileira. O ex-jogador contou que esperou até 2008, quando já atuava na Série A em alto nível há algum tempo. Na ocasião, uma ligação do treinador da seleção italiana também influenciou sua decisão.

"Tive dois anos fantásticos no Palermo. Foi quando começaram a falar de seleção brasileira. Mas aí, eu rompi os ligamentos do joelho, fiquei sete meses parado. Felizmente, voltei melhor e ainda fui contratado pela Juventus. Aí, novamente, voltaram a falar de seleção brasileira, mas também falavam de seleção italiana. A seleção brasileira nunca me convocava. Eram quatro anos em alto nível, em 2008, e nunca tinha sido convocado. Aí, recebi uma ligação do técnico da Itália. Eu nunca tive uma assessoria, e talvez tenha faltado mesmo. Quem sabe com uma assessoria legal, as coisas fossem diferentes. Eu esperei até um amistoso contra Portugal, em 2008, mesmo, quando muitos jornalistas me ligaram, inclusive, falando que eu estaria na lista de convocados. Depois, eu tomei a decisão de jogar pela Itália", declarou em entrevista ao Expediente Futebol, do Fox Sports, hoje.

Goleador em diversos times da Itália, Amauri opinou sobre a atual fase dos atacantes brasileiros e afirmou que Gabigol é quem vive a melhor fase. Na opinião do ex-atacante, o jogador rubro-negro ainda tem muito potencial.

"No momento, o atacante brasileiro no melhor momento é o Gabigol. Nos últimos dois anos, pelos Santos e pelo Flamengo, voltou com tudo. E ele faz muito gol. Para mim, ainda vai crescer muito. Pode melhorar muito", completou.

UOL Esporte vê TV