PUBLICIDADE
Topo

Eleição no Cruzeiro: Sérgio Rodrigues elogia Fla e Bahia: "são exemplos"

Sérgio Santos Rodrigues, candidato à presidência do Cruzeiro, fala sobre eleição no Cruzeiro - Thiago Fernandes/UOL Esporte
Sérgio Santos Rodrigues, candidato à presidência do Cruzeiro, fala sobre eleição no Cruzeiro Imagem: Thiago Fernandes/UOL Esporte

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

20/05/2020 04h00

O advogado Sérgio Santos Rodrigues é um dos candidatos à presidência do Cruzeiro na eleição que ocorre amanhã (21). Pela segunda vez seguida no pleito, ele concedeu entrevista ao UOL Esporte. Na conversa, aponta Flamengo e Bahia como modelos de gestões a serem seguidas na Toca da Raposa, faz críticas à administração anterior, liderada por Wagner Pires de Sá, e explica como reduzir a milionária dívida do clube.

"A dívida, na verdade, se fala em R$ 750 milhões, que não é diferente da dívida que o Atlético Mineiro tem, que o Vasco tem, que o Flamengo tinha quando o Bandeira de Mello assumiu. Não é o que nós gostaríamos, mas, com um trabalho sério igual ao do Flamengo, você consegue equalizar isso. É algo feito a médio prazo, porque a capacidade de receita do Cruzeiro é menor que a do Flamengo. É possível fazer isso com contenção de gastos. Tem um estudo da própria Falconi [empresa de consultoria de gestão] que mostra que é possível reduzir muito os custos. Tem que ser inteligente e buscar coisas que não foram feitas. Pela grandeza do Cruzeiro, dá para buscar ações que solucionam isso", disse Sérgio Rodrigues, citando ainda quais são os seus exemplos de gestão.

"O modelo que eu pretendo é o modelo profissional. Eu fiz um MBA no Real Madrid e cito Flamengo e Bahia como exemplos de organização, porque são entidades, associações sem fins lucrativos que fazem o certo. Não precisa ser clube-empresa para ser profissional. Eles fazem o certo. O que é o certo? Implementar um planejamento estratégico, que o Cruzeiro não tem. Determinar missão, visão, valores, fraquezas, oportunidades, metas de curto, médio e longo prazo. É trazer pessoas boas competentes e técnicas para trabalhar na área. Como você sabe que o cara é bom? São aqueles caras que estão bem posicionados no mercado. Pretendemos implementar algo muito bom".

Confira, abaixo, a entrevista com o candidato na íntegra:

UOL Esporte: O Cruzeiro vive uma de suas piores crises de sua história, financeiramente e do ponto de vista desportivo. Por que você gostaria de ser presidente do clube neste momento?

Sérgio Rodrigues: Independentemente de crise ou não, eu gostaria de ser [presidente do Cruzeiro], porque a pessoa que quiser ser somente no momento bom, é porque não está disposta a ajudar. É como aquele amigo que só é amigo nas horas boas. A crise, diante de tudo o que a gente se preparou, dá até ânimo de ser presidente. Vamos tocar os projetos que são necessários para a reconstrução do clube.

UOL Esporte: O que fazer para viabilizar um clube que tem uma dívida de cerca de R$ 1 bilhão depois da administração anterior?

Sérgio Rodrigues: A dívida, na verdade, se fala em R$ 750 milhões, que não é diferente da dívida que o Atlético Mineiro tem, que o Vasco tem, que o Flamengo tinha quando o Bandeira de Mello assumiu. Não é o que nós gostaríamos, mas com um trabalho sério igual ao do Flamengo, você consegue equalizar isso. É algo feito a médio prazo, porque a capacidade de receita do Cruzeiro é menor que a do Flamengo. É possível fazer isso com contenção de gastos. Tem um estudo da própria Falconi [empresa de consultoria de gestão] que mostra que é possível reduzir muito os custos. Tem que ser inteligente e buscar coisas que não foram feitas. Pela grandeza do Cruzeiro, dá para buscar ações que solucionam isso.

UOL Esporte: Quais são as suas propostas para a área financeira e para o âmbito desportivo do clube?

Sérgio Rodrigues: O âmbito desportivo é muito amplo. Claro que o nosso primeiro projeto é subir para a Série A [do Brasileirão]. Mas existe certamente a melhora nas condições de treinos, departamento médico, hotelaria, na base... É preciso um projeto de base mais sólido. Nos dois últimos anos, a base ficou perdida. Precisamos de investimento para não ficar envolvido apenas nas quatro linhas. A financeira é tentar reduzir a dívida, que foi contraída em um cenário diferente do que estamos hoje. A taxa Selic muito menor. Hoje, o Cruzeiro tem credibilidade, capacidade de cortar custos e buscar captação de receita.

UOL Esporte: Como avalia a gestão de Itair Machado e Wagner Pires de Sá?

Sérgio Rodrigues: Eu avalio a gestão, obviamente, como desastrosa. Fez o que fez com o Cruzeiro, aliado ao que está para se comprovar aí, inclusive, com desonestidade. Um título nacional com o time feito na gestão anterior. Então, não vejo como extrair algo positivo disso, fora a herança de salários altíssimos que o Cruzeiro tem que pagar.

UOL Esporte: Como contribuir com as investigações da polícia e do Ministério Público sobre os antigos dirigentes do Cruzeiro?

Sérgio Rodrigues: Eu acho que tem que chamar a Polícia Civil e o Ministério Público para entender o que falta para acabar. Tem que abrir as portas para tudo o que for necessário. Tem que procurar alguém que possa falar mais alguma coisa. É ter as portas abertas para que as pessoas possam agir.

UOL Esporte: Qual a sua avaliação do trabalho feito pelo conselho gestor?

Sérgio Rodrigues: O trabalho do Conselho Gestor, como de todos os ex-presidentes, tem coisas boas e ruins. Eles chegaram no momento mais difícil da história recente do clube. Eles tiveram que tapar buracos. A redução salarial foi para esse ano, mas fica para o ano que vem. Houve demissão. Você reduz a folha, mas cria um passivo trabalhista, que até onde sei não está sendo pago. Eu acho que o Conselho Gestor é um Núcleo Dirigente Transitório. Eles tinham que preparar para a transição, não que ocupem um terço do mandato. A saída do Adílson [Batista, treinador] mostrou isso. É difícil ter sete pessoas dando palpite. Se você tiver sete pessoas para definir, é complicado. Se fosse bom, estaria nos grandes clubes de futebol ou nas próprias empresas. O que vejo é isso. É um trabalho que tem que ser transitório e deixar o presidente eleito implementar o projeto de longo prazo.

UOL Esporte: Estaria disposto a presidir o clube somente por alguns meses, no mandato tampão sugerido pelo conselho gestor? Por quê?

Sérgio Rodrigues: Não estaria disposto a presidir o clube só por alguns meses, na verdade. Eu presidiria o clube a partir de junho, mas depois tem outra eleição. Só acho fundamental estar lá o quanto antes, porque o Cruzeiro precisa ter uma pessoa para implementar o seu projeto. O caminho natural é a reeleição em outubro.

UOL Esporte: Você tem bagagem acadêmica e empírica no futebol. Qual o modelo de gestão pretende adotar no Cruzeiro?

Sérgio Rodrigues: O modelo que eu pretendo é o modelo profissional. Eu fiz um MBA no Real Madrid e cito Flamengo e Bahia como exemplos de organização, porque são entidades, associações sem fins lucrativos que fazem o certo. Não precisa ser clube-empresa para ser profissional. Eles fazem o certo. O que é o certo? Implementar um planejamento estratégico, que o Cruzeiro não tem. Determinar missão, visão, valores, fraquezas, oportunidades, metas de curto, médio e longo prazo. É trazer pessoas boas competentes e técnicas para trabalhar na área. Como você sabe que o cara é bom? São aqueles caras que estão bem posicionados no mercado. Pretendemos implementar algo muito bom.

UOL Esporte: Você conta com o apoio de Gilvan de Pinho Tavares, Zezé Perrella e Pedro Lourenço no Conselho Deliberativo. Crê que isso influenciará na eleição?

Sérgio Rodrigues: Eleição é, obviamente, política. Isso conta com certeza. Se você pegar os ex-presidentes, faltou falar Alvimar Perrella, César Masci. Você tem grandes atores do clube que estão aí avalizando o projeto. Nenhum deles nunca me pediu nada, não tenho compromisso. São pessoas que confiam na nossa experiência empírica e acadêmica.

Cruzeiro