PUBLICIDADE
Topo

Como foi a temporada 2020 do Santos antes da paralisação

Jesualdo Ferreira junto com o auxiliar no Pacaembu - Bruno Ulivieri/AGIF
Jesualdo Ferreira junto com o auxiliar no Pacaembu Imagem: Bruno Ulivieri/AGIF

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

22/03/2020 04h00

O Santos lidera seus grupos nas duas competições que disputa na temporada: o Paulista e a Libertadores. Mesmo assim, o Peixe do português Jesualdo Ferreira ainda não convenceu o torcedor.

O time da Vila Belmiro tem 15 pontos ganhos no estadual, apenas a oitava melhor campanha do torneio, mas suficiente para liderar o grupo A. O clube está muito perto de garantir a classificação para a próxima fase, já que tem cinco pontos à frente do terceiro colocado com apenas mais seis em disputa.

Na Libertadores, o Santos lidera o grupo G da competição, com 100% de aproveitamento: duas vitórias em dois jogos. Tanto as competições quanto as atividades do Peixe estão paralisadas por causa da pandemia do coronavírus.

Confira um balanço de como foi a temporada do Santos em 2020 antes da paralisação:

Aproveitamento

Foram 12 jogos, com seis vitórias, três empates e três derrotas. O Peixe conquistou 21 dos 36 pontos disputados, um aproveitamento de 58,3%. O time anotou 13 gols e sofreu nove.

O que pensa a comissão técnica e qual o time ideal?

O técnico Jesualdo Ferreira já elogiou o time em dados momentos e também criticou. A avaliação do português é quem o Santos vinha em uma evolução grande, mas caiu no duelo contra a Ferroviária e demorou um pouco para retomar a curva ascendente. Antes da parada, a principal preocupação era com o controle do jogo: o técnico chegou a afirmar que o time fazia as coisas rápido demais e, por isso, perdia o controle em determinados momentos.

Havia muito cansaço e o que vocês perceberam... 1 a 0 e cometemos erros e poderíamos não ganhar. Falta experiência para gerir momentos e situações assim. Foi um pouco isso. É essa diferença, esse momento, estas situações táticas que não estão afinadas. Compreendidas na totalidade. Mas é fácil fazer uma equipe que joga depressa, jogar devagar. O contrário é mais difícil. Estou tranquilo.

O time ideal do Santos neste momento tem: Everson; Pará, Luan Peres, Lucas Veríssimo e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Sánchez; Soteldo, Marinho e Eduardo Sasha.

Surpresa positiva: Felipe Jonatan

Felipe Jonatan comemora em treino do Santos - Ivan Storti/Santos FC - Ivan Storti/Santos FC
Imagem: Ivan Storti/Santos FC

O lateral-esquerdo contratado no ano passado ficou com a missão de substituir o titular da posição no ano passado: Jorge, que retornou ao Monaco, da França. No entanto, o torcedor santista não tem sentido falta do ex-camisa 3. Com apenas 22 anos, Felipe Jonatan tomou conta da posição, vem demonstrando muitas qualidades ofensivas e é o líder de assistências do Peixe na temporada, com três.

Decepção: Pará

Pará não consegue repetir atuações de 2019 - Ivan Storti/Santos FC - Ivan Storti/Santos FC
Imagem: Ivan Storti/Santos FC

O lateral-direito que terminou o ano passado em alta, chegando a tomar a posição de Victor Ferraz, não vem conseguindo repetir as atuações em 2020. O esquema do técnico Jesualdo Ferreira abusa dos cruzamentos para a área e do apoio dos laterais, mas é gritante a diferença de qualidade que o time possui atacando pelo lado esquerdo, com Felipe Jonatan, e pelo lado direito, com Pará — que diversas vezes não aparece no apoio.

Precisa de reforços?

Sim. O Peixe precisa desesperadamente de um lateral-esquerdo. Apesar da posição estar resolvida com Felipe Jonatan se destacando como titular, o elenco santista não possui nenhum outro jogador de origem para o setor. Quando o camisa 3 sentiu uma contusão, o zagueiro Luan Peres foi improvisado na esquerda. O Santos ainda sonha com retorno do "rei das pedaladas" Robinho, mas não abriu negociação ainda. O ano deve ser de poucas contratações, já que o Peixe vive situação financeira delicada e tenta olhar primeiro para as categorias de base antes de ir ao mercado.

Estatísticas

Artilheiro: Raniel, Eduardo Sasha e Arthur Gomes, todos com dois gols marcados
Líder em assistências: Felipe Jonatan, com três
Líder em desarmes: Alison, com 29
Líder em dribles: Soteldo, com 35
Líder em passes: Luan Peres, com 617
Jogador mais caçado: Sánchez, com 28 faltas sofridas
Quem mais jogou: 1080 minutos, todos os minutos da temporada
Quantos jogadores foram a campo: 27

Qual foi o melhor jogo e o pior?

Yuri Alberto marcou na vitória sobre o Mirassol - Ivan Storti/Santos FC - Ivan Storti/Santos FC
Imagem: Ivan Storti/Santos FC

O melhor do ano foram os primeiros 45 minutos contra o Mirassol, na Vila Belmiro, quando o Peixe abriu 3 a 0 em 23 minutos e criou oportunidades para ampliar ainda mais o placar. Já o pior desempenho da temporada, reconhecidamente por Jesualdo, foi no empate por 0 a 0 diante da Ferroviária.

Qual o emoji que define o estado de espírito do torcedor?

.

Santos